Estudo mostra que radiografia anual não diminui mortalidade por câncer

Estudo mostra que radiografia anual não diminui mortalidade por câncer

Atualizado: Quarta-feira, 26 Outubro de 2011 as 1:16

Uma radiografia anual da caixa torácica não reduz a mortalidade causada por câncer de pulmão, segundo um grande estudo clínico apresentado nesta quarta-feira (26) nos Estados Unidos. Tipo da doença é o que causa mais mortes em todo o mundo.

- Esses resultados constituem uma sólida prova de que não existe um ganho substancial de sobrevida para pessoas com câncer pulmonar ao realizarem uma radiografia anual dos pulmões. 

A pesquisa que será publicada no JAMA (Journal of the American Medical Association) no dia 2 de novembro. 

O estudo foi divulgado hoje na versão online do JAMA em razão de sua apresentação na conferência anual do American College of Chest Physicians (CHEST 2011), que acontece do dia 22 ao 26 de outubro em Honolulu, no Hawaii. 

Desenvolvido nos Estados Unidos de novembro de 1993 a julho de 2001 pelo médico Martin Oken, da Universidade do Minnesota, o trabalho reuniu um grupo de 154.901 participantes com idade entre 55 anos e 74 anos de idade. 

Apenas a metade foi escolhida ao acaso e submetida a uma radiografia pulmonar anual durante quatro anos. O outro grupo, de controle, foi analisado a partir de exames e cuidados médicos de rotina. 

Formados pela mesma proporção de mulheres e homens, cada grupo tinha 45% de pessoas que nunca fumaram, 42% de ex-fumantes e 10% que ainda fumavam. 

Durante um período de 13 anos, até 2009, os pesquisadores diagnosticaram 1.696 casos de câncer de pulmão no grupo submetido à radiografia anual e 1.620 no grupo de controle. 

As taxas de mortalidade resultantes desses cânceres observados nos dois grupos foram quase idênticas, 1.213 mortes entre os que fizeram a radiografia e 1.230 mortos no grupo de controle. 

A distribuição de diferentes tipos de tumores nos grupos também foi similar, respectivamente 41% de adenocarcinomas, 20% de carcinoma de células escamosas, 14% de carcinoma de células pequenas, 5% de carcinoma de células grandes e 20% de outras variantes de epitelioma de grandes células. 

Em um editorial publicado também no JAMA, o médico Harold Sox, da Faculdade de Medicina de Dartmouth, em West Lebanon, afirma que o resultado desse estudo "oferece provas convincentes de que a radiografia da caixa torácica para detectar um câncer pulmonar não é eficaz" na redução da mortalidade. 

Segundo ele, "esse estudo é importante para acaba com a questão" e para que médicos passem a usar a tomografia computadorizada helicoidal como técnica de imagem. 

Um estudo realizado com 50.000 americanos fumantes e ex-fumantes de 55 anos a 74 anos de idade em 2010 mostrou efetivamente que essa outra técnica permite uma melhor detecção de pequenos tumores no primeiro estágio de desenvolvimento da doença em comparação com a radiografia tradicional, reduzindo em 20% a mortalidade. 

Esse estudo clínico demonstrou pela primeira vez que uma detecção precoce de um tumor cancerígeno de pulmão diminui o risco de mortes, o que é um grande progresso, segundo Sox.

veja também