Estudos comprovam a relação da obesidade com vários tipos de câncer

Estudos comprovam a relação da obesidade com vários tipos de câncer

Atualizado: Terça-feira, 27 Outubro de 2009 as 12

Estudos comprovam a relação da obesidade com vários tipos de câncer

Já não é novidade que a obesidade causa vários problemas de saúde, como a diabetes, a pressão alta e problemas cardiovasculares. Existem muitos estudos também que relacionam vários tipos de câncer à obesidade, entre eles os de útero, esôfago, intestino, rim, leucemia, mama, mieloma múltiplo (médula óssea), pâncreas, linfoma não-hodgkin e ovário. O excesso de gordura corporal é um verdadeiro veneno para a saúde humana. As células de gordura são ativas na produção hormonal e fatores de crescimento, características que contribuem para acelerar a divisão e a reprodução celular. E, quanto mais células se duplicam, maiores as chances de alguma replicação ser inadequada, originando uma célula maligna. A partir daí, estes hormônios adicionais levam a uma rápida reprodução das células cancerígenas.

As mulheres são o maior alvo. Cerca de 60% dos casos de câncer por causa da obesidade atingem mama ou útero e a ligação entre o peso e o risco de câncer também depende do estágio de vida da mulher. O risco de câncer de mama, pela obesidade, aumenta apenas depois da menopausa, implicado com a variação de estrogênios - mais abundantes no sangue das obesas.

O câncer de ovário é a doença ginecológica mais fatal, com uma taxa de sobrevivência de cinco anos de apenas 37% das pacientes. Os pesquisadores notaram que, entre as mulheres que não haviam feito terapia de reposição hormonal durante a menopausa, a obesidade estava associada a um risco quase 80% maior de desenvolver a doença.

Alguns tipos de câncer de intestino também estão relacionados ao excesso de peso. Trabalho, publicado na população japonesa, sugere que diagnóstico de adenoma colorretal (tipo de neoplasia de intestino) foi maior nos indivíduos com maiores índices de massa corpórea e, à medida que houve a redução do peso, também houve a diminuição da prevalência da doença.

Postado por: Felipe Pinheiro

veja também