EUA identificam gene relacionado à tentativa de suicídio

EUA identificam gene relacionado à tentativa de suicídio

Atualizado: Quarta-feira, 30 Março de 2011 as 9:28

Cientistas da Universidade Johns Hopkins, dos Estados Unidos, identificaram uma pequena região no cromossomo 2 que está associada a um maior risco de tentativa de suicídio, afirma estudo publicado nesta terça-feira pela revista "Molecular Psychiatry".

Esta pequena região contém quatro genes, incluindo o gene ACP1 que os pesquisadores encontraram em níveis superiores aos normais no cérebro de pessoas que tentaram se suicidar.

Os pesquisadores dizem que os resultados poderiam levar à prevenção do suicídio, proporcionando novas direções para a pesquisa e o desenvolvimento de medicamentos.

"Durante muito tempo, achamos que os genes tinham um papel importante na decisão de tentar cometer suicídio e, de fato, possuem", assegura a doutora Virgínia Willour, diretora do estudo e professora de psiquiatria e ciências da Escola de Medicina da universidade.

Virgínia e seus colegas estudaram amostras de DNA de quase 2.700 adultos com transtorno bipolar, 1.201 deles com antecedentes de tentativas de suicídio e 1.497 sem este histórico.

Na pesquisa, descobriram que os pacientes que tinham copiada uma vez em seu DNA uma variação genética na região do cromossomo 2, onde se encontra o ACP1, foram 1,4 vez mais propensos ao suicídio.

A influência do número de cópias de alguns genes em doenças neuropsiquiátricas é conhecida, mas o risco aumentou até três vezes entre os que tinham duas cópias desta variação genética.

Segundo dados dos autores, calcula-se que 4,6% da população americana tentou se suicidar alguma vez e o suicídio é a causa de 1,4% de mortes no país. Entre as pessoas com transtorno bipolar, 47% pensam em se matar e 25% realmente tentam o suicídio.

"O que é promissor são as implicações deste trabalho para aprender mais sobre a biologia do suicídio e os remédios utilizados para tratar os pacientes que poderiam estar em risco", assinalou Virgínia.

Os próximos passos serão tentar determinar os mecanismos biológicos exatos pelos quais estes fatores de risco genéticos aumentam o risco de comportamento suicida.

"Nem todas as pessoas com transtorno bipolar podem tomar lítio - um sal natural que normaliza a atividade das células nervosas e costuma ser administrado como estabilizador do estado de ânimo - devido a seus efeitos secundários. Se pudéssemos dar outra opção, isso seria fantástico", assinalou a doutora.

veja também