Excesso de flúor cria problemas estéticos em crianças

Excesso de flúor cria problemas estéticos em crianças

Atualizado: Domingo, 3 Fevereiro de 2008 as 12

Se alguém falasse que quanto mais ingerirmos flúor mais bem protegidos ficaríamos contra as cáries poucas pessoas iriam duvidar. Mas a verdade popular - que afirma que tudo que é demais faz mal - também se aplica à saúde bucal. Um desses casos tem o nome de fluorose, ou excesso de flúor no organismo. "Fluorose são manchas, em geral esbranquiçadas, que aparecem nos dentes por excesso de flúor, geralmente de forma simétrica", afirma o periodontista Silvio Pardo, de São José do Rio Preto. "É mais comum em crianças com até 12 anos de idade", completa.

A fluorose é o primeiro sinal de intoxicação por flúor. Em países como o Brasil, onde é comum a fluoretação da água consumida pela população, o problema tem aparecido com freqüência nos consultórios. O excesso de flúor que chega com a água, os cremes dentais e os enxaguatórios criam manchas esbranquiçadas nos dentes. Em casos mais graves as manchas se tornam castanhas ou marrons. "Com isso pode haver perda da estrutura dental. O dente se torna mais frágil e se desgasta mais facilmente do ponto de vista fisiológico", alerta Pardo. "Por isso é tão importante evitar que as crianças engulam a pasta de dente ou os enxaguatórios bucais, além de haver um maior controle no uso de complexos vitamínicos que também contenham a substância", diz.

Com todos esses problemas muitos cientistas acabaram tornando-se contrários a fluoretação da água, pois eles acreditam que este é o primeiro sinal de que até 70% das crianças de algumas regiões estão sendo intoxicadas. “Em países europeus a eficiência do flúor na água é mínima, já que a higiene bucal faz parte dos hábitos das pessoas. Em contrapartida muitos países subdesenvolvidos têm mais de 60% de eficiência contra as cáries por causa da fluoretação, isso porque a população possui hábitos de higiene precários”, explica o periodontista.

O principal mal provocado pelo excesso de flúor ainda é o estético. E como o maior risco de acometimento se dá em crianças até o seis anos de idade - por causa da formação das coroas dentárias - a fluorose pode trazer problemas de convívio social. Para muitos, a solução passa por tratamentos tradicionais, como um desgaste na superfície do dente, ou até mesmo uma restauração com resinas. "Seja como for é importante que a mãe tenha o cuidado com a escovação dos dentinhos das crianças até os seis anos de idade. Criar o hábito da escovação é importante, mas não há necessidade de grande quantidade de pasta de dente ou outros suplementos. Uma porção do tamanho de uma ervilha, ou até menor, é suficiente", ensina Pardo. "Mesmo assim não se deve permitir que elas engulam o produto", finaliza.

Postado por: Claudia Moraes

veja também