Falta de dentes atinge idoso e jovens no Brasil

Falta de dentes atinge idoso e jovens no Brasil

Atualizado: Sexta-feira, 23 Maio de 2008 as 12

Segundo o Ministério da Saúde (MS), 75% dos idosos brasileiros são desdentados. Entre os adultos com idade entre 30 e 44 anos, esse índice é de 30 %. De acordo com estudos feitos no ano de 2004, 17,6% da população brasileira não possui dentes na boca, o que equivale a mais de 30 milhões de pessoas. Se já não bastassem estes números alarmantes sobre a saúde bucal em nosso País, outro dado chega como uma bomba. Ainda segundo o MS, cinco mil adolescentes são desdentados e não usam prótese dentária.

O fato de os jovens perderem dentes precocemente se deve à falta de escovação após as refeições e por não se preocuparem em fazer a higiene bucal de forma correta, bem como ir regularmente a um cirurgião dentista. Para os mais experientes, a ausência de dentes pode ser explicada, também, pelo fumo, que causa, além de danos à boca, problemas como câncer. Sem contar que, com a correria do dia-a-dia, muitas pessoas usam a desculpa de não terem tempo para escovar os dentes.

Com os idosos o quadro se altera de figura. Longe de serem taxados pelas deficiências anteriormente citadas, no caso deles o problema foi a própria vida quem tratou de trazer. Com o passar dos anos, a boca fica mais frágil, aparecem doenças periodontais, os dentes amolecem, adoecem. Com muito tempo de dentadura, a mastigação fica comprometida, com falhas na mastigação e na digestão. Assim, a perda óssea na maxila (parte superior da boca) é iminente, o que resulta em uma boca com aspecto murcho, nariz caído e rugas.

A solução para este quadro seria o implante zigomático, onde mais rapidamente e com a mesma eficiência que o método que utiliza enxerto ósseo, são inseridos pinos no osso zigomático (da região da maçã do rosto) e instalada de maneira fácil e indolor uma prótese fixa sobre estes implantes. Para o método não há contra-indicações. O que existe é a garantia de um resultado mais seguro, com a possibilidade de melhora na mastigação, conforto e auto-estima.

Especialistas em implantes dentários, os cirurgiões dentistas Francis Coachman e Gustavo Petrilli, do Well Centro Clínico, acreditam que o procedimento vale a pena. "O implante melhora a qualidade de vida e é eficaz, pois mesmo sem estrutura óssea na região da maxila é possível que uma pessoa tenha um sorriso bonito e funcional, sem o tratamento árduo de um enxerto. Além disso, no mesmo dia o paciente recebe alta e em três dias pode comer de tudo, ao contrário do outro mecanismo, onde a reabilitação demora em torno de 18 meses", concluem os especialistas.

Postado por: Claudia Moraes

veja também