Fortéo deve ser aprovado no tratamento da osteoporose

Fortéo deve ser aprovado no tratamento da osteoporose

Atualizado: Quarta-feira, 19 Março de 2008 as 12

O Comitê Europeu dos Produtos Medicinais para Uso Humano da Agência Européia de Avaliação de Medicamentos emitiu um parecer recomendando a aprovação do Fortéo para o tratamento da osteoporose associada à terapia sistêmica e continuada com glucocorticóide para homens e mulheres com alto risco de fraturas. Para que a nova indicação seja efetivamente aprovada deverá ser ratificada pela Comissão Européia.

Fortéo, comercializado pela indústria farmacêutica Eli Lilly, é um agente biotecnológico formador de osso, pioneiro e único de uma classe de drogas que estimulam a formação de tecido ósseo. Até o seu lançamento, que ocorreu no Brasil no final de 2003, os tratamentos aprovados para a osteoporose atuavam, basicamente, apenas com a redução ou a interrupção da perda óssea.

Segundo dados de um estudo comparativo entre Fortéo e alendronato, publicados recentemente no New England Journal of Medicine, pacientes com osteoporose induzida por glucocorticóides, medicados com Fortéo, tiveram um aumentou significativo - de 7,2% - da densidade mineral óssea da coluna

lombar, a partir da medida basal, enquanto o alendronato levou a aumento de apenas 3,4 % no 18º mês de terapia.

A osteoporose induzida por glucocorticóide é caracterizada pela perda óssea associada ao tratamento de longo prazo com essa substância, que é a causa mais comum da osteoporose secundária, provocando perda óssea e um aumento do risco de fraturas. De acordo com a pesquisa, a perda de massa óssea em pessoas que fazem uso de glucocorticóide, geralmente prescritos para o tratamento de condições inflamatórias, pode acorrer após três meses de terapia. Calcula-se que, mundialmente, entre 1 a 3% da população adulta acima de 50 anos de idade faça uso de um glucocorticóide. Estudos desenvolvidos na Europa mostram que 0,5 a 0,9% da população geral e 2% dos pacientes ambulatoriais, em algum momento, foram submetidos a um tratamento prolongado com glucocorticóide, sendo que até 50% dessas pessoas sofrerão uma fratura osteoporótica.

"Atualmente, os médicos e pacientes contam com apenas um tipo de terapia para o tratamento da osteoporose induzida por glucocorticóides," disse Steven Boonen, professor de medicina do Centro para Doenças Metabólicas do Osso da Universidade de Leuven, na Bélgica. "A aprovação final desta nova indicação do Fortéo oferecerá aos médicos e aos pacientes uma nova opção de tratamento para aumentar a densidade óssea".

Postado por: Claudia Moraes  

veja também