Frio é desculpa para comer mais

Frio é desculpa para comer mais

Atualizado: Sexta-feira, 10 Julho de 2009 as 12

Durante o ano a estagiária em Administração Verônica de Callis é rigorosa nos cuidados com o corpo: controla a alimentação e vai cinco vezes por semana à academia. Chega o inverno, a malhação diminui e cresce a vontade por doces, principalmente chocolates e fondues. "No calor a gente tende a comer coisas mais leves, mais frescas", diz a moça, 22 anos, que ganha em média 2 quilos nos meses de frio.

Segundo especialistas porém, a idéia de que no inverno o corpo exige alimentos calóricos ou que a fissura por um prato gorduroso é algo instintivo não passa de lenda. Segundo eles, não há comprovação científica de que o "frio engorda". Os quilos que se ganha nessa época são resultado da dieta de cada um.

A nutricionista e fisiologista do esporte Jaqueline Demardini diz que no frio, os vasos sanguíneos e os músculos se retraem, o que demanda uma quantidade maior de energia para o corpo manter a temperatura média (cerca de 37 graus).

Mas segundo ela, a necessidade calórica adicional é muito pequena cerca de 50 kcal (menos que um bombom). O erro nas dietas, segundo Jaqueline, está em como a pessoa supre essa necessidade extra. "O corpo pede alimentos quentes, mas cabe a cada um escolher se irá tomar um chá verde ou um chocolate quente".

Aline de Piano Ganen, nutricionista da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), explica que o inverno no Brasil não exige mudanças na alimentação. Somente em locais muito frios, como nas proximidades dos pólos demandam uma dieta mais calórica na estação. Além disso, nesses locais os dias são mais curtos, o que segundo a nutricionista da Unifesp, provoca queda nos índices de serotonina (transmissor responsável pela sensação de bem estar). "Isso leva as pessoas a buscar prazer na alimentação", afirma a nutricionista.

Outra questão que segundo professores de educação física também seria cultural é a fuga dos exercícios físicos. "No frio as pessoas fazem menos atividades físicas", diz o doutor em Ciências pela Unifesp, Denis Foschini. "No verão expõem mais o corpo e por isso procuram controlar a alimentação e fazer mais exercícios".

Exemplo disso é a empresária Geny da Costa, de 48 anos. Moradora de Passo Fundo (RS), região que hoje pode registrar mínima de 6 graus, ela foge das atividades físicas e corre para a taça de vinho acompanhada de um bom prato de massa. "Acabo engordando alguns quilinhos", revela a empresária.

Dica

Os praticantes de exercícios devem redobrar o aquecimento nos dias frios. Também é importante manter pés e mãos aquecidos e cuidar da hidratação.

Postado por: Felipe Pinheiro

veja também