Glicosamina é eficaz no tratamento de osteoartrite

Glicosamina é eficaz no tratamento de osteoartrite

Atualizado: Quinta-feira, 24 Abril de 2008 as 12

Pesquisadores da Universidade Creighton, em Omaha, Nebraska, concluíram em revisão de estudo que apenas a glicosamina - substância derivada de crustáceos, como o camarão - mostrou eficácia no tratamento da osteoartrite. Segundo os especialistas, outras substâncias e formulações combinadas não apresentaram resultados consistentes.

O estudo teve como objetivo apontar os tratamentos mais eficazes à base de glicosamina para uma doença que atinge mais de 350 milhões de pessoas em todo o mundo. No Brasil, cerca de 15 milhões de pessoas são afetadas pela osteoartrite, também conhecida como doença degenerativa das articulações, caracterizada pelo desgaste da cartilagem articular que reveste os ossos. Essa alteração pode causar dor, inchaço, rigidez e deformidade, chegando à paralisia do membro afetado, em determinados casos.

Segundo o artigo, nos EUA a osteoartrite é um dos alvos da indústria farmacêutica, que destina cerca de US$ 20 bilhões / ano à área e que já introduziu mais de 800 novos medicamentos no mercado, nos últimos anos. Os autores afirmam que a glicosamina, ao contrário de outros produtos, é a substância mais amplamente estudada. Mais de 20 testes foram realizados, envolvendo cerca de 2.500 pacientes. A maior parte deles teve como objetivo observar a função de combate à doença na região dos joelhos e do quadril, duas áreas bastante estudadas e comumente afetadas pela doença.

As conclusões apontam que a glicosamina como princípio ativo apresenta mais eficácia na redução da dor e dos sintomas, com possibilidade de diminuição lenta da progressão da doença. Já os produtos que apresentam glicosamina combinada com outras substâncias - como a condroitina, derivada de cartilagem de bovinos, por exemplo - não apresentaram indícios de que essa associação é mais eficaz do que o uso da glicosamina isolada. Outras combinações também não apresentam resultados consistentes. Já existe a glicosamina sintética disponível como medicamento no Brasil, distribuída sob licença exclusiva.

Postado por: Claudia Moraes

veja também