Herpes labial é comum e também pode afetar região genital

Herpes labial é comum e também pode afetar região genital

Atualizado: Terça-feira, 14 Junho de 2011 as 11:43

A recorrência é alta principalmente devido à forma de transmissão, basicamente por contato físico ou com utensílios, como garfos e facas, quando a doença está na fase ativa, com bolhas aparecendo. “E, apesar do nome, este tipo de vírus também pode aparecer em outras partes do corpo, inclusive nos genitais”, explica Litvoc.

Segundo o infectologista, o tipo 2 do vírus (HSV-2), conhecido como herpes genital, é uma doença sexualmente transmissível (DST), porém também pode aparecer em outras partes do corpo, até mesmo no rosto – o que pode dificultar o diagnóstico sem o exame sorológico. A estimativa é de que 20% da população seja portadora do vírus tipo 2.

Sintomas e tratamento

Além do aspecto físico, os sintomas do herpes – principalmente quando se trata da primeira infecção – pode envolver febre, dor e, no caso do herpes genital, ardor ao urinar. Ainda de acordo com a SBD, estes sintomas aparecem em 50% dos portadores do vírus.

O vírus do herpes não tem cura, apenas tratamento – feito com antivirais e pomadas – e permanece no corpo para sempre, se manifestando geralmente quando a pessoa está com a imunidade baixa. “Ele pode ficar incubado em certos tipos de células nervosas, sendo ativado por estresse, cansaço, exposição ao sol, menstruação – no caso das mulheres – e outras infecções, como uma gripe. Com tratamento é possível aliviar os sintomas e reduzir a vida útil das irritações e bolhas, mas não eliminar a infecção”. Cerca de 5% a 10% da população sofre com mais de seis crises de herpes anuais.

Herpes genital pode ser transmitido mesmo sem lesões

Para evitar a transmissão da doença, pessoas com herpes simples, independentemente do tipo, devem lavar as mãos sempre que tocarem nas lesões. Para as mulheres, durante a gravidez, dentro do útero, a criança está protegida, mas pode ser infectada durante o parto normal.

O mais recomendado àqueles com herpes genital é o uso de preservativos em todas as relações sexuais. Um estudo recente divulgado no periódico * Journal of American Medical Association   aponta que pessoas com herpes genital correm o risco de contagiar seus parceiros, mesmo quando a doença não apresenta lesões. A pesquisa constatou que o vírus pode permanecer ativo mesmo sem apresentar qualquer sintoma.

Herpes no olho pode cegar?

Uma preocupação recorrente entre aqueles que têm herpes é a manifestação da doença nos olhos. “Todos os portadores de herpes correm o risco de ter seus olhos atingidos”, diz Litvoc.

Na sua forma ocular, a herpes pode causar uma inflamação na superfície ou mesmo na parte interna do olho, provocando uma uveíte. “No entanto, apenas pacientes com problemas de imunidade, que apresentem uma imunidade muito baixa, como diabéticos, transplantados, idosos ou portadores de HIV correm o risco de ficarem cegos”, alerta.

por Marina Teles  

veja também