Homens com apnéia correm mais risco de ter osteoporose

Homens com apnéia correm mais risco de ter osteoporose

Atualizado: Segunda-feira, 13 Julho de 2009 as 12

Estudo inédito da Secretaria de Estado da Saúde realizado no AME (Ambulatório Médico de Especialidades) de Interlagos, zona sul de São Paulo, aponta que os homens que têm apnéia (parada repetida e temporária da respiração durante o sono) têm mais risco de desenvolver osteoporose, em razão da baixa oxigenação do sangue.

O levantamento receberá premiação durante o 19º Congresso Europeu de Pneumologia, a ser realizado em setembro deste ano pela European Respiratory Society, na Áustria.

Foram avaliados 36 pacientes, dos quais 16 homens e 20 mulheres, atendidos no ambulatório entre setembro e dezembro de 2008. Eles passaram por exames como polissonografia, densitometria óssea, peso, altura e aferição do índice de massa corpórea.

Os resultados apontaram osteoporose ou osteopenia (diminuição da densidade mineral óssea, numa proporção menor que da osteoporose) em 55,5% dos pacientes, sendo 56,25% dos homens e 55% das mulheres.

Entre os homens foi possível estabelecer, por meio da comparação entre os exames de polissonografia e densitometria, uma relação direta entre a hipoxemia noturna (baixa oxigenação do sangue) causada pela apnéia e a baixa densidade óssea do fêmur. Isto é, constatou-se que quando a oxigenação caía, também havia diminuição de massa óssea nos pacientes.

Já entre as mulheres essa correlação direta não foi observada, prevalecendo a idade como fator preponderante para a ocorrência de baixa densidade óssea do fêmur. O estudo prosseguirá no ambulatório e a expectativa é avaliar cerca de 200 pacientes até 2010.

"Esse é um dado extremamente relevante, pois demonstra a necessidade de os profissionais de saúde rastrearem a possibilidade de osteoporose e risco de fraturas em pacientes com diagnóstico de apnéia do sono", afirma o fisioterapeuta Rafael Montenegro, um dos coordenadores do estudo.

veja também