Hospital das Clínicas vai cuidar de grupo de risco vítima do H1N1

Hospital das Clínicas vai cuidar de grupo de risco vítima do H1N1

Atualizado: Sexta-feira, 7 Agosto de 2009 as 12

Um trabalho integrado entre o Hospital das Clínicas da FMUSP e o Instituto de Infectologia Emílio Ribas, ambos ligados à Secretaria de Estado da Saúde, otimizará a estrutura física e profissional dos dois hospitais para atender casos suspeitos e confirmados da gripe H1N1. Pela nova estratégia, a prioridade do HC será o atendimento de pacientes que precisam de cuidados especiais, como gestantes, crianças com menos de um ano de idade e também de casos que envolvam doenças graves associadas à nova gripe.

De acordo com o superintendente do Hospital das Clínicas, José Manoel de Camargo Teixeira, o hospital atenderá somente esses pacientes específicos, além dos já matriculados no HC. A definição da nova estratégia de atendimento ocorreu na manhã desta quarta-feira, dia 5, por decisão do Conselho Deliberativo do HC, em reunião que contou com a presença de representantes da Secretaria de Estado da Saúde e de diretores das duas unidades de saúde envolvidas.

Outras mudanças também foram acertadas. A partir de agora, a triagem de casos suspeitos passará a ser feita preferencialmente no Instituto Emílio Ribas. "O centro regulador passa a ser o Emílio Ribas, tanto para triagem dos casos como para a entrega de medicamentos de urgência", informa. Os pacientes contaminados pela nova gripe que já estiverem internados nos institutos do Complexo HC, com exceção do Instituto Central (ICHC), na medida do possível deverão ser transferidos ao Emílio Ribas ou ao ICHC. "O atendimento no Hospital das Clínicas a pacientes com esse vírus será exclusivamente no Instituto Central, onde está localizada a UTI de Moléstias Infecciosas do Complexo. Os demais institutos do HC não atenderão casos de gripe", ressalta o superintendente.

Pela estratégia definida, o HC também passa a ser credenciado pelo Ministério da Saúde a realizar exames em pacientes com suspeita de gripe H1N1. A partir da próxima semana, o hospital terá capacidade de ampliar o número de exames diários, absorvendo parte da demanda do Emílio Ribas. "São exames oficiais, não o teste rápido, mas daremos agilidade para que o resultado saia em, no máximo, 24 horas", aponta o doutor José Manoel.

Para a realização dos exames laboratoriais, a superintendência do HC autorizou a aquisição imediata de dois equipamentos e dos respectivos insumos. Foi autorizada, ainda, a contratação de mais 50 funcionários para o HC, entre médicos, profissionais de enfermagem, biologistas e de apoio administrativo. "Parte desses funcionários já está contratada. Na semana que vem, todos já deverão estar atuando", relata o superintendente.

As interconsultas especializadas de médicos do HC e do Emílio Ribas também serão intensificadas. "Os pacientes internados no Emílio Ribas receberão visitas constantes de oncologistas, hematologistas e cardiologistas do HC", explica o diretor do Emílio Ribas, David Uip, acrescentando que pediatras do Instituto da Criança do HC também poderão ser solicitados.

Primeiro atendimento

O diretor do Instituto Emílio Ribas, David Uip, relembra a importância de que os hospitais de referência não sejam procurados diretamente pelos pacientes. O atendimento inicial deve ser nas Unidades Básicas de Saúde ou nos Pronto-Socorros, que já estão autorizados pelo Ministério da Saúde a prescreverem os medicamentos específicos da nova gripe. "Caso haja confirmação do vírus, essas unidades farão a prescrição do antiviral e avaliarão a eventual necessidade de encaminhar aos hospitais de referência", alerta David Uip.

veja também