Infarto do miocárdio ou ataque cardíaco

Infarto do miocárdio ou ataque cardíaco

Atualizado: Sexta-feira, 9 Setembro de 2011 as 12:07

O ataque do coração, nome popular do infarto cardíaco, é causado pela falta de irrigação sanguínea que leva oxigênio ao músculo chamado miocárdio. As consequências podem ser tanto uma insuficiência cardíaca que traz limitações físicas quanto uma parada cardíaca súbita que leva à morte imediata ou tardia.

A principal causa do infarto é a aterosclerose, acúmulo de gordura na parede das artérias. Se uma destas placas de gordura se desprende, pode entupir o vaso, impedindo a passagem do fluxo de sangue. Mas também existe a possibilidade de artérias coronárias normais terem um espasmo, contraindo-se violentamente e obstruindo o oferecimento de sangue ao músculo cardíaco.

Para reduzir o risco de morte e sequelas, é importante diagnosticar o ataque cardíaco com rapidez. O principal sintoma do infarto é a dor intensa, que aparece repentinamente na altura do coração e causa sensação de aperto. A dor persiste por mais de 25 minutos e provoca suores frios, vertigens, náuseas e vômitos. Também pode irradiar para as costas, os ombros e braços (geralmente o esquerdo).

Os exames que contribuem para o reconhecimento do infarto são o eletrocardiograma e a dosagem sanguínea das enzimas resultantes da destruição de células cardíacas. Em casos duvidosos, é realizado o ecocardiograma.

Diante de uma vítima de infarto, é primordial restabelecer o fluxo sanguíneo na artéria coronária através de uma angioplastia, procedimento que introduz um balão dentro da artéria para esmagar a placa de obstrução, ou de uma cirurgia de ponte de veia safena ou mamária para a criação de uma passagem alternativa para que o sangue chegue ao miocárdio.

Além de aliviar a dor e fazer o paciente repousar, o tratamento do infarto inclui medicamentos para reduzir o trabalho cardíaco e dissolver possíveis coágulos sanguíneos, os trombos.

Existem hábitos que prejudicam as artérias e o coração, são os fatores de risco cardiovasculares:

•hipertensão arterial (50% das pessoas com infarto tem hipertensão).

•altos níveis de colesterol LDL e triglicérides;

•tabagismo;

•diabetes;

•estresse;

•sedentarismo;

•obesidade;

•alimentação gordurosa;

•hereditariedade.

O controle desses fatores de risco depende de uma mudança de hábitos que garanta uma vida saudável.

Uma dieta balanceada pode prevenir a ocorrência do infarto. A alimentação deve ser composta por verduras, legumes, frutas, fibras e carnes, preferencialmente de peixes e aves. Óleos de origem vegetal, principalmente o azeite de oliva, rico em HDL (o colesterol "bom"), evitam a formação de placas nas artérias.

É recomendável consultar um médico para ter indicação de um programa deatividade física regular. A caminhada é uma ótima opção por ser um exercício fácil de ser seguido e que promove o condicionamento físico.

Outra medida importante é o controle da pressão arterial e dos níveis de colesterol. Hipertensos devem reduzir o sal da dieta e controlar a pressão arterial e diabéticos devem medir periodicamente os níveis de colesterol.

O único fator de risco que não se pode controlar é a hereditariedade. Se este fator estiver presente, siga as orientações sobre hábitos de vida saudáveis e diminua a probabilidade de um ataque cardíaco.

veja também