Institutos recrutam pacientes de câncer para pesquisa com remédio fitoterápico

Institutos recrutam pacientes de câncer para pesquisa com remédio fitoterápico

Atualizado: Quinta-feira, 13 Maio de 2010 as 2:37

Os institutos de pesquisa que apoiam os estudos do primeiro medicamento totalmente brasileiro para o tratamento de câncer estão selecionando pacientes interessados em participar da segunda fase do processo. A primeira foi concluída com resultados positivos, após análise em células e animais.

Nesta fase, os testes clínicos substituem as terapias convencionais, como a quimioterapia, pelo novo medicamento fitoterápico, que recebeu o nome de AM 10 neste período de desenvolvimento. Trata-se de uma substância sintetizada no Brasil a partir da planta medicinal Aveloz, encontrada nas regiões Norte e Nordeste.

No programa, cada paciente tomará um comprimido três vezes ao dia, o que permitirá verificar a atividade terapêutica da droga, avaliar a possibilidade de controle da doença, o perfil de toxicidade e a ocorrência de efeitos colaterais.

A pesquisa é voltada para pacientes do sexo feminino, com idade acima de 18 anos, com no máximo dois tratamentos quimioterápicos anteriores para câncer de mama em estágio avançado, ou seja, com diagnóstico de câncer metastático - que a doença tenha se espalhado para outra parte do corpo.

O tratamento é totalmente gratuito, com duração aproximada de seis meses.

A iniciativa tem como parceiros a Faculdade de Medicina do ABC, o Hospital Albert Einstein, o Instituto do Câncer Arnaldo Vieira de Carvalho, o Hospital Sírio Libanês e o Centro Paulista de Oncologia; e é coordenada pela Pianowski & Pianowski, empresa de Pesquisa e Desenvolvimento Farmacêutico, pela PHC (Pharma Consulting), consultoria especializada em indústria farmacêutica, e pelo Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa do Hospital Albert Einstein.

Os interessados precisam atender aos pré-requisitos dos hospitais credenciados. Para mais informações, os interessados devem contatar a PHC pelo telefone 0/XX/113673-3763.

veja também