Isotônicos - repositores hidroeletrolíticos

Isotônicos - repositores hidroeletrolíticos

Atualizado: Quinta-feira, 28 Fevereiro de 2008 as 12

Uma bebida isotônica é aquela que apresenta concentração osmótica igual à do sangue humano. A concentração osmótica é determinada pela quantidade de solutos que contém em um meio aquoso. No caso dos isotônicos usados para atletas, os solutos presentes são nutrientes, que são mais utilizados pelo organismo como fonte de energia (glicose). E aqueles que aparecem em quantidades significativas no suor que é perdido durante o esforço (sódio e cloretos, principalmente), e que numa solução se encontram em quantidades similares àquelas encontradas no sangue, facilitando sua absorção.

Sua principal função é evitar a desidratação por meio da manutenção do estado hídrico adequado, ou seja, repor os líquidos (água) e eletrólitos (sódio e cloretos) perdidos pela transpiração. Além disso, os isotônicos contêm moderadas quantidades de carboidratos que servem para fornecer glicose para a manutenção da glicemia e, também, como fonte de energia para o músculo ativo, resultando em melhora da performance.

Por ser uma solução isotônica, a entrada de água e solutos para o organismo é facilitada. Diversos estudos já comprovaram que bebidas compostas por carboidratos e eletrólitos em uma solução isotônica, hidratam o atleta de maneira mais eficaz, se comparadas apenas com a água. No entanto, a absorção da água está mais relacionada com a presença e a adequada concentração da glicose na solução do que com a presença do sódio. Vale ressaltar que o eletrólito mais perdido no suor é o sódio, daí sua maior concentração na solução quando comparado aos outros eletrólitos.

Recomenda-se a ingestão de 1ml de solução isotônica/kg de peso corporal/hora de exercício, podendo variar em função da umidade relativa do ar e da temperatura ambiente.

Pré-atividade física: 2 horas antes do início, recomenda-se a ingestão de 600 a 800 ml. Durante a atividade: ingerir aproximadamente 200 a 300 ml a cada 15 a 20 minutos de esforço. Após a atividade: repor o correspondente a 150% do peso corporal perdido (nas 6 horas pós-atividade). A bebida deve conter diferentes tipos de carboidratos (glicose, frutose, maltodextrina) numa concentração de 6% a 8%; em certos casos até 10%. Alguns atletas, aqueles que apresentam maior concentração de sódio no suor (podendo ser observada em suas roupas brancas e repletas de sal após os treinos), podem fazer o uso de cápsulas de sal durante provas ou exercícios prolongados e/ou intensos, com a finalidade de se evitar a hiponatremia (diminuição do sódio corporal abaixo dos valores normais - Segundo a lei da osmose, "aonde o sódio vai, a água vai atrás". Desse modo, concentrações maiores de sódio presentes no intestino, quando comparado ao sódio presente no sangue, fará com que a água passe do sangue para o intestino, e não o contrário, conforme o pretendido. Isso causa diarréia e aumenta a desidratação corporal.

O atleta que não se preocupa em hidratar-se corretamente poderá sofrer com o aumento da freqüência cardíaca e aumento da temperatura central, levando à fadiga; à instalação de um quadro denominado de hipoglicemia (queda do açúcar no sangue) que, também, gera fadiga, tonturas, confusão mental, e até desmaios; e ao aparecimento da hiponatremia, causando letargia, tontura, confusão mental, câimbras, convulsão e até morte.

Postado por: Claudia Moraes

veja também