Ligação entre infecções, inflamações e o câncer

Ligação entre infecções, inflamações e o câncer

Atualizado: Quinta-feira, 7 Fevereiro de 2008 as 12

Cresce no mundo o investimento em pesquisas que buscam evidenciar a conexão entre infecções, inflamações crônicas e certos tipos de câncer. Com a doença posicionada como a segunda causa de mortes no planeta e o crescente custo dos tratamentos, detectar fatores exógenos ligados ao seu aparecimento e desenvolvimento tornou-se vital para se reduzir a mortalidade. "De acordo com a Organização Mundial da Saúde, serão 9 milhões de óbitos em 2015", descreve Dr. Murilo Buso, diretor do Centro de Oncologia e Hematologia de Brasília (Cettro).

No caso das infecções, duas já têm ligação mais que evidente com o câncer. "Sabemos que o Papiloma Vírus Humano (HPV) e o vírus da Hepatite B estão diretamente vinculados à incidência de tumores de colo de útero e hepatocelular, respectivamente. Para se ter uma idéia, 99% dos diagnósticos de colo de útero estão ligados ao HPV", comenta Dr. João Nunes, chefe do Serviço de Oncologia e da Residência do Hospital Universitário de Brasília.

Os estudos clínicos e epidemiológicos não param por aí. A bactéria H. Pylori, que provoca gastrite, demonstra ter papel de peso na incidência do carcinoma gástrico e infecção crônica causada pelo parasita Schistosoma pode estar conectada ao câncer de bexiga.

Inflamações Perigosas - Pesquisas sugerem que inflamações crônicas estão vinculadas à iniciação tumoral - processo no qual células normais são geneticamente alteradas, tornando-se malignas; à promoção - quando pequenos conglomerados de células doentes são estimuladas a crescer; e à progressão - quando os tumores tornam-se mais invasivos. "As inflamações afetam a atuação da citocina, importante mediador celular ligado à defesa do organismo", comenta Dr. Buso.

Há fortes indícios de que o abuso de álcool, que conduz à inflamação do fígado e do pâncreas, está ligado à formação de cânceres em ambos os órgãos. O tabagismo, por sua vez, está associado a inflamações nas vias respiratórias e a mais de uma dúzia de tipos de tumores.

Ação e Reação - Conhecer os fatores do câncer é parte da estratégia de combate à doença. "A partir de constatações científicas, definimos mudanças de hábitos que visam proteger o indivíduo da doença, como é o caso do uso de álcool e tabaco", enfatiza Dr. Murilo. No caso das infecções, a boa notícia é que as vacinas já provaram ter força na luta contra a doença. "Nações que adotaram a imunização contra Hepatite B, já verificam a redução da incidência do câncer hepatocelular. A expectativa é de que a vacina anti-HPV demonstre, em alguns anos, o mesmo resultado", conclui Dr. Buso.

Postado por: Claudia Moraes

veja também