Lobby quer ampliar acesso à cirurgia de obesidade

Lobby quer ampliar acesso à cirurgia de obesidade

Atualizado: Quinta-feira, 9 Dezembro de 2010 as 8:38

A cirurgia de redução de estômago pode deixar de ser restrita aos obesos mórbidos.

A farmacêutica Allergan conseguiu aprovar em um comitê da FDA (agência reguladora dos EUA) a redução do índice mínimo de massa corporal exigido para a cirurgia de banda gástrica.

Hoje, o paciente deve ter um IMC de 40. Se ele tiver doenças associadas ao peso, como diabetes e hipertensão, pode ser operado com IMC de 35. Se a FDA acatar a decisão do comitê, esses limites mudarão para 35 e 30. A decisão final vai levar alguns meses.

O argumento é que pessoas com obesidade moderada, mas que sofrem de diabetes, por exemplo, terão acesso a um tratamento eficaz.

A operação de banda gástrica estrangula o estômago, reduzindo a quantidade de comida que a pessoa consegue ingerir. A Allergan vende a banda usada na cirurgia.

O índice de massa corporal é calculado dividindo o peso (quilos) pela altura ao quadrado (metros). Hoje, alguém de 1,70 m teria que pesar ao menos 101 kg para ser operado. Pela regra defendida na FDA pela Allergan, o peso mínimo seria de 86,7 kg.

BRASIL

No país, especialistas em cirurgia de obesidade se dizem a favor de uma revisão das regras, mas sem o foco na operação de banda gástrica.

O presidente da Sociedade de Cirurgia Bariátrica e Metabólica, Ricardo Cohen, afirma que o estrangulamento do estômago leva à perda de peso menor do que outras técnicas e não traz mudanças que controlam o diabetes.

"Nas outras cirurgias, há mudanças hormonais. Quando desviamos intestino e estômago, aumenta a secreção de hormônios da saciedade."

Apesar de ser favorável à ampliação do acesso à cirurgia, o endocrinologista Bruno Geloneze, coordenador de pesquisa em metabolismo e diabetes da Unicamp, diz que o impacto da operação no diabetes de quem tem IMC entre 30 e 35 é menor do que nos mais obesos.

"A causa do diabetes em pessoas com IMC mais baixo não é tão relacionada ao peso." Mesmo assim, há casos em que o paciente pode ser beneficiado, segundo ele.

Mas Geloneze afirma que a cirurgia de banda gástrica não deve ser incluída na discussão sobre a ampliação do acesso aos procedimentos.

"Isso é um lobby para uma técnica lucrativa para empresas e de baixa lucratividade para os pacientes."

O endocrinologista alerta ainda para os riscos de uma banalização das cirurgias e para o oportunismo de aproveitar as maiores restrições às drogas emagrecedoras para "vender" operações.

"Temos milhões de pessoas usando sibutramina, e pipoca um caso ou outro [de efeito colateral]. Se esse mesmo número de pessoas fizer cirurgia, vão aumentar os problemas associados a elas, como osteoporose."

Para o cirurgião Ricardo Cohen, os problemas nutricionais associados às cirurgias são facilmente tratáveis. "O paciente que antes tomava remédios para diabetes ou pressão vai ter que trocar isso por uma vitamina."

veja também