Madrugadores de academia contam como conseguem sair da cama

Madrugadores de academia contam como conseguem sair da cama

Atualizado: Segunda-feira, 20 Junho de 2011 as 10:56

"No começo do inverno diminui o pique. Para acordar é terrível. Coloco o celular bem longe da minha cama e com um alarme bem alto. Nisso, já pisei no chão frio e acordei. O que me motiva a vir para a academia é minha preocupação com a saúde. O frio não é problema. Quando eu morava na Itália, eu levantava e corria às 6h, com neve, antes de ir para o trabalho."

Dan Fujita, 25, é estudante e treina por cerca de uma hora e meia, três vezes por semana   "O que me motiva a levantar da cama é a obrigação de fazer exercício. Tenho indicação médica para isso, sou hipertensa. Eu subia um lance de escadas e já me sentia cansada. A gente fica bem-disposto depois de fazer exercício. Eu penso que preciso ir à academia porque o médico mandou e também porque estou pagando. O fato de estar pagando motiva. "

Elaine Tosetto, 24, é projetista e treina todos dias a partir das 7h     "Sinto menos energia no frio. Mas fazer exercício no esquema que eu faço é tão legal que não dá preguiça. É o grupo, a conversa é boa, e faço no parque, ao ar livre. Vou agora buscar meus filhos na escola e dizer 'Tenham orgulho da sua mãe, ela correu de manhã cedo, embaixo da chuva'. Eu me sinto o Rocky Balboa"

Madalena Lacroze, 37, é advogada e faz condicionamento ao ar livre   "Coloco dois despertadores estridentes e insistentes longe da minha cama. É assim que acordo. Do começo do ano até aqui perdi 17 quilos. Antes eu estava com obesidade e estou entrando na faixa do sobrepeso. É difícil ter pensamendo de longo prazo. Outra coisa que me motiva é o compromisso com o meu personal. Não atraso um minuto. "

Leonardo Mazzillo, 34, é advogado e treina pelo menos cinco vezes na semana.   "Eu durmo mais nessa época, umas nove horas por noite, e também como mais carboidrato de manhã. Não sei se é essa a diferença para ficar motivada, mas para mim funciona. Sou disciplinada, nem uso despertador. Tenho a memória corporal do bem-estar depois do exercício físico. É só pensar nisso que eu já tenho a motivação principal. Viva a endorfina!"

Giselle Bechara, 51, é psicóloga e vai à academia seis vezes por semana     "Era para eu ter acordado às 7h, mas enrolei um pouco e levantei às 8h. Uma coisa que me estimula é a estrutura da academia. Fora que é um investimento, estou pagando. Isso já é motivação suficiente"

Caroline Jasinski, 36, é gerente de restaurante e frequenta a academia há um mês  

veja também