Medicamentos alteram resultados de exames laboratoriais

Medicamentos alteram resultados de exames laboratoriais

Atualizado: Sexta-feira, 1 Outubro de 2010 as 8:52

A interferência de remédios no resultado de exames foi um dos temas discutidos no XVI Congresso Paulista de Farmacêuticos. O paracetamol e anti-inflamatórios corticoides, por exemplo, alteram os níveis de glicose no sangue.

"É comum analisarmos um exame alterado sem uma explicação clínica. Na maioria dos casos é porque o paciente usou algum remédio e não informou o laboratório", diz Marcos Machado Ferreira, vice-coordenador da Comissão de Analises Clínicas e Toxicológicas do CRF-SP.

Ele lembra que nestes casos é comum culpar o laboratório pelo resultado impreciso, já que muitas vezes o exame é repetido, em outro lugar, e apresenta resultados mais corretos. "E ninguém pensa que pode ter sido um medicamento que o paciente usou antes do primeiro exame e não do segundo".

As alterações podem ser tanto no organismo quanto na reação química durante a análise das amostras. A orientação é levar todos os medicamentos usados na semana anterior ao exame até o laboratório. Só assim, o exame poderá ser preciso para cada caso.

Para quem usa antibióticos ou anti-inflamatórios, o melhor é, se possível, terminar o uso dos remédios e após 3 a 4 dias fazer os exames necessários.

Os laboratórios também são aconselhados pelo CRF a terem uma lista com o nome comercial de medicamentos para que, se o paciente não levar os remédios, possa identificá-los com maior facilidade.

O farmacêutico destaca que chás para gripe contêm paracetamol em altas dosagens e não são lembrados como medicamento.

Os hormônios tireoidianos são uns dos mais afetados. O propanolol, usado para hipertensão, o ácido acetilsalicílico e xaropes são alguns exemplos. Veja a seguir mais exemplos de alterações causadas por remédios.

Amiodarona - Princípio ativo utilizado para pacientes que tem arritimia cardíaca. Alteração causada: Interfere nos hormônios tireoidianos. Isso ocorre tanto em pacientes que não apresentam alterações clínicas como naqueles que já apresentam alterações como hipertireoidismo e hipotireoidismo.

Propanolol - Princípio ativo utilizado para tratar pacientes com hipertensão. Alteração causada: Pode causar alterações no exames de dosagens de enzimas hepáticas (ALT,AST,LDH) e também na dosagem de uréia que é utilizada para verificar funcionamento renal.

Cetoconazol - Princípio ativo anti-fúngico. Alteração causada: Podem causar alterações nas enzimas hepáticas. Pacientes que fazem uso de Anticoagulante oral (cumarínicos), se utilizarem concomitante o cetoconazol, terão seus efeito aumentado, alterando significativamente os exames laboratoriais que medem o tempo de protrombina, que é um exame utilizado para verificar se o anticoagulente está agindo corretamente.

Piroxican - Princípio ativo anti-inflamatório. Alteação causada: Pode causar um aumento na glicemia. Em pacientes normais, pode levar o médico a pensar em diabetes, e nos já sabidamente diabéticos, pode elevar demais o resultado da dosagem e dificultar o controle medicamentoso da diabetes.

Paracetamol - Analgésico e antipirético. Alteração: Pode causar resultado falsamente diminuído de glicemia.

A interferência de remédios no resultado de exames foi um dos temas discutidos no XVI Congresso Paulista de Farmacêuticos. O paracetamol e anti-inflamatórios corticoides, por exemplo, alteram os níveis de glicose no sangue.

"É comum analisarmos um exame alterado sem uma explicação clínica. Na maioria dos casos é porque o paciente usou algum remédio e não informou o laboratório", diz Marcos Machado Ferreira, vice-coordenador da Comissão de Analises Clínicas e Toxicológicas do CRF-SP.

Ele lembra que nestes casos é comum culpar o laboratório pelo resultado impreciso, já que muitas vezes o exame é repetido, em outro lugar, e apresenta resultados mais corretos. "E ninguém pensa que pode ter sido um medicamento que o paciente usou antes do primeiro exame e não do segundo".

As alterações podem ser tanto no organismo quanto na reação química durante a análise das amostras. A orientação é levar todos os medicamentos usados na semana anterior ao exame até o laboratório. Só assim, o exame poderá ser preciso para cada caso.

Para quem usa antibióticos ou anti-inflamatórios, o melhor é, se possível, terminar o uso dos remédios e após 3 a 4 dias fazer os exames necessários.

Os laboratórios também são aconselhados pelo CRF a terem uma lista com o nome comercial de medicamentos para que, se o paciente não levar os remédios, possa identificá-los com maior facilidade.

O farmacêutico destaca que chás para gripe contêm paracetamol em altas dosagens e não são lembrados como medicamento.

Os hormônios tireoidianos são uns dos mais afetados. O propanolol, usado para hipertensão, o ácido acetilsalicílico e xaropes são alguns exemplos. Veja a seguir mais exemplos de alterações causadas por remédios.

Amiodarona - Princípio ativo utilizado para pacientes que tem arritimia cardíaca. Alteração causada: Interfere nos hormônios tireoidianos. Isso ocorre tanto em pacientes que não apresentam alterações clínicas como naqueles que já apresentam alterações como hipertireoidismo e hipotireoidismo.

Propanolol - Princípio ativo utilizado para tratar pacientes com hipertensão. Alteração causada: Pode causar alterações no exames de dosagens de enzimas hepáticas (ALT,AST,LDH) e também na dosagem de uréia que é utilizada para verificar funcionamento renal.

Cetoconazol - Princípio ativo anti-fúngico. Alteração causada: Podem causar alterações nas enzimas hepáticas. Pacientes que fazem uso de Anticoagulante oral (cumarínicos), se utilizarem concomitante o cetoconazol, terão seus efeito aumentado, alterando significativamente os exames laboratoriais que medem o tempo de protrombina, que é um exame utilizado para verificar se o anticoagulente está agindo corretamente.

Piroxican - Princípio ativo anti-inflamatório. Alteação causada: Pode causar um aumento na glicemia. Em pacientes normais, pode levar o médico a pensar em diabetes, e nos já sabidamente diabéticos, pode elevar demais o resultado da dosagem e dificultar o controle medicamentoso da diabetes.

Paracetamol - Analgésico e antipirético. Alteração: Pode causar resultado falsamente diminuído de glicemia.

A interferência de remédios no resultado de exames foi um dos temas discutidos no XVI Congresso Paulista de Farmacêuticos. O paracetamol e anti-inflamatórios corticoides, por exemplo, alteram os níveis de glicose no sangue.

"É comum analisarmos um exame alterado sem uma explicação clínica. Na maioria dos casos é porque o paciente usou algum remédio e não informou o laboratório", diz Marcos Machado Ferreira, vice-coordenador da Comissão de Analises Clínicas e Toxicológicas do CRF-SP.

Ele lembra que nestes casos é comum culpar o laboratório pelo resultado impreciso, já que muitas vezes o exame é repetido, em outro lugar, e apresenta resultados mais corretos. "E ninguém pensa que pode ter sido um medicamento que o paciente usou antes do primeiro exame e não do segundo".

As alterações podem ser tanto no organismo quanto na reação química durante a análise das amostras. A orientação é levar todos os medicamentos usados na semana anterior ao exame até o laboratório. Só assim, o exame poderá ser preciso para cada caso.

Para quem usa antibióticos ou anti-inflamatórios, o melhor é, se possível, terminar o uso dos remédios e após 3 a 4 dias fazer os exames necessários.

Os laboratórios também são aconselhados pelo CRF a terem uma lista com o nome comercial de medicamentos para que, se o paciente não levar os remédios, possa identificá-los com maior facilidade.

O farmacêutico destaca que chás para gripe contêm paracetamol em altas dosagens e não são lembrados como medicamento.

Os hormônios tireoidianos são uns dos mais afetados. O propanolol, usado para hipertensão, o ácido acetilsalicílico e xaropes são alguns exemplos. Veja a seguir mais exemplos de alterações causadas por remédios.

Amiodarona - Princípio ativo utilizado para pacientes que tem arritimia cardíaca. Alteração causada: Interfere nos hormônios tireoidianos. Isso ocorre tanto em pacientes que não apresentam alterações clínicas como naqueles que já apresentam alterações como hipertireoidismo e hipotireoidismo.

Propanolol - Princípio ativo utilizado para tratar pacientes com hipertensão. Alteração causada: Pode causar alterações no exames de dosagens de enzimas hepáticas (ALT,AST,LDH) e também na dosagem de uréia que é utilizada para verificar funcionamento renal.

Cetoconazol - Princípio ativo anti-fúngico. Alteração causada: Podem causar alterações nas enzimas hepáticas. Pacientes que fazem uso de Anticoagulante oral (cumarínicos), se utilizarem concomitante o cetoconazol, terão seus efeito aumentado, alterando significativamente os exames laboratoriais que medem o tempo de protrombina, que é um exame utilizado para verificar se o anticoagulente está agindo corretamente.

Piroxican - Princípio ativo anti-inflamatório. Alteação causada: Pode causar um aumento na glicemia. Em pacientes normais, pode levar o médico a pensar em diabetes, e nos já sabidamente diabéticos, pode elevar demais o resultado da dosagem e dificultar o controle medicamentoso da diabetes.

Paracetamol - Analgésico e antipirético. Alteração: Pode causar resultado falsamente diminuído de glicemia.

A interferência de remédios no resultado de exames foi um dos temas discutidos no XVI Congresso Paulista de Farmacêuticos. O paracetamol e anti-inflamatórios corticoides, por exemplo, alteram os níveis de glicose no sangue.

"É comum analisarmos um exame alterado sem uma explicação clínica. Na maioria dos casos é porque o paciente usou algum remédio e não informou o laboratório", diz Marcos Machado Ferreira, vice-coordenador da Comissão de Analises Clínicas e Toxicológicas do CRF-SP.

Ele lembra que nestes casos é comum culpar o laboratório pelo resultado impreciso, já que muitas vezes o exame é repetido, em outro lugar, e apresenta resultados mais corretos. "E ninguém pensa que pode ter sido um medicamento que o paciente usou antes do primeiro exame e não do segundo".

As alterações podem ser tanto no organismo quanto na reação química durante a análise das amostras. A orientação é levar todos os medicamentos usados na semana anterior ao exame até o laboratório. Só assim, o exame poderá ser preciso para cada caso.

Para quem usa antibióticos ou anti-inflamatórios, o melhor é, se possível, terminar o uso dos remédios e após 3 a 4 dias fazer os exames necessários.

Os laboratórios também são aconselhados pelo CRF a terem uma lista com o nome comercial de medicamentos para que, se o paciente não levar os remédios, possa identificá-los com maior facilidade.

O farmacêutico destaca que chás para gripe contêm paracetamol em altas dosagens e não são lembrados como medicamento.

Os hormônios tireoidianos são uns dos mais afetados. O propanolol, usado para hipertensão, o ácido acetilsalicílico e xaropes são alguns exemplos. Veja a seguir mais exemplos de alterações causadas por remédios.

Amiodarona - Princípio ativo utilizado para pacientes que tem arritimia cardíaca. Alteração causada: Interfere nos hormônios tireoidianos. Isso ocorre tanto em pacientes que não apresentam alterações clínicas como naqueles que já apresentam alterações como hipertireoidismo e hipotireoidismo.

Propanolol - Princípio ativo utilizado para tratar pacientes com hipertensão. Alteração causada: Pode causar alterações no exames de dosagens de enzimas hepáticas (ALT,AST,LDH) e também na dosagem de uréia que é utilizada para verificar funcionamento renal.

Cetoconazol - Princípio ativo anti-fúngico. Alteração causada: Podem causar alterações nas enzimas hepáticas. Pacientes que fazem uso de Anticoagulante oral (cumarínicos), se utilizarem concomitante o cetoconazol, terão seus efeito aumentado, alterando significativamente os exames laboratoriais que medem o tempo de protrombina, que é um exame utilizado para verificar se o anticoagulente está agindo corretamente.

Piroxican - Princípio ativo anti-inflamatório. Alteação causada: Pode causar um aumento na glicemia. Em pacientes normais, pode levar o médico a pensar em diabetes, e nos já sabidamente diabéticos, pode elevar demais o resultado da dosagem e dificultar o controle medicamentoso da diabetes.

Paracetamol - Analgésico e antipirético. Alteração: Pode causar resultado falsamente diminuído de glicemia.

veja também