Médicos de MG fazem alerta sobre casos de catapora

Médicos de MG fazem alerta sobre casos de catapora

Atualizado: Quinta-feira, 10 Setembro de 2009 as 12

Quase 14 mil pessoas tiveram catapora em Minas Gerais, em 2008. Neste ano, já são mais de 4,7 mil notificações, segundo a Secretaria Estadual de Saúde.

Nos meses de setembro e outubro, a preocupação aumenta. Segundo os médicos, é nessa época que são registrados mais casos da doença.

Manchinhas no rosto, no corpo e febre. Filipe Soares Fonseca pegou catapora há dez dias. "No começo é muito difícil porque até quando acendia a luz começava a arder, queimar. Mas depois foi ficando mais fácil", relata o estudante.

É entre o fim do inverno e o início da primavera que aumentam os registros da doença. Segundo os médicos, o tempo seco e frio facilita a proliferação da catapora. O vírus altamente contagioso é transmitido pelas vias aéreas.

"O que a gente pode fazer é manter os ambientes bem ventilados, procurar umidificar os ambientes e evitar aglomerações de pacientes que não tenham tido a doença", aconselha o infectologista Inácio Roberto Carvalho.

O médico explica que nos casos mais graves, a doença pode provocar pneumonia e inflamações no cérebro.

Ainda segundo o infectologista, o período de transmissão começa dois dias antes dos primeiros sintomas e vai até sete dias depois do aparecimento das manchas.

A vacina é a melhor forma de prevenção, mas ela só está disponível na rede particular. A imunização é feita em duas doses. A primeira, com um ano de idade, e depois, um reforço aos cinco anos.

A criança infectada não pode brincar com terra, nadar e nem tomar sol, até a cicatrização das feridas. Só deve voltar à escola depois de sete dias. As unhas devem ser mantidas bem curtas, para evitar ferimentos.

O Ministério da Saúde informou que ainda não há previsão de incluir a vacina contra a catapora na rede pública. A dose em uma clínica particular custa de R$ 100 a R$ 120.

veja também