No inverno, drible a má vontade de comer um prato de salada

No inverno, drible a má vontade de comer um prato de salada

Atualizado: Sexta-feira, 21 Maio de 2010 as 4:40

Nos dias frios, tudo o que queremos é nos proteger e aconchegar: roupas quentinhas, mais calor humano e comidinhas que aquecem. Entretanto, em relação à alimentação, a tendência é acabarmos engordando, pois temos mais vontade de consumir comidas gordurosas e calóricas, ou seja, que dão mais energia ao nosso organismo e nos esquentam mais.

Só que no meio dessa história, as saladas, parte fundamental de um cardápio saudável, acabam sendo deixadas de lado por muitas pessoas. Afinal, encarar um prato de refrescantes folhas frescas não é muito animador nas baixas temperaturas. Daí o dilema, já que não dá para abolir essa turma do cardápio. "A salada é importante porque complementa as refeições de uma forma saudável. As folhas e vegetais são muito importantes na alimentação e na dieta, porque são alimentos ricos em fibras e elas contribuem para o bom funcionamento do intestino, ajudando na digestão e na absorção do colesterol e da glicose", de acordo com a nutricionista do programa Dieta e Saúde, Roberta Stella.

Ou seja, suas refeições não podem ficar sem as folhas e as leguminosas que, além de saudáveis, trarão uma maior sensação de saciedade, evitando que você exagere nos pratos principais. E, sim, é possível deixar sua salada mais apetitosa no frio, entretanto, isso exige cuidados para que ela não se torne uma bomba calórica. "As verduras e legumes são fontes de vitaminas e sais minerais que ajudam nas funções do nosso organismo, proporcionando melhorias à saúde, inclusive no combate de doenças", diz Roberta.

Salada esperta

Para deixar sua salada mais "confortável", vale apostar em boas substituições. Os grãos cozidos, como soja, grão-de-bico e o feijão branco rendem saladas deliciosas e turbinadas com proteínas e fibras. "As fibras exercem importante papel para regular os níveis de glicose no sangue, pois retardam a sua absorção. Essa redução na velocidade de absorção da glicose previne o diabetes e controla a doença, pois evitam que os níveis de glicose subam demais", diz Roberta Stella. Esses grãos podem ser cozidos e temperados a sua escolha, com azeite, vinagre, cebola e cebolinha, por exemplo.  

Na panela

Os vegetais cozidos são também uma ótima alternativa às folhas cruas. O brócolis é rico em vitaminas C, nos minerais cálcio e ferro, folato (que previne anemias) e antioxidantes bioflavonoides, que protegem contra o desenvolvimento de tumores. Entretanto, a vitamina C pode ser perdida quando cozinhamos os vegetais. "A melhor forma de cozinhar um vegetal rico em vitamina C é a vapor, pois como essa vitamina é fotossensível, ou seja, não suporta grandes temperaturas, o cozimento acaba destruindo suas propriedades", diz Roberta. Já o repolho tem poderes contra o câncer, pois contém antioxidantes bioflavonoides e outras substâncias químicas responsáveis por inibir o crescimento de tumores e proteger as células dos danos causados pelos radicais livres.

Cozinhar este vegetal no vapor preserva a maior parte dos seus nutrientes. Outra dica é evitar cozinhá-lo em uma panela de alumínio para não causar a reação química que descolore o vegetal e altera seu sabor. A berinjela também pode cair muito bem nesse friozinho. Ela é bem versátil, podendo ser cozida, grelhada, assada ou ensopada. O gosto amargo pode ser eliminado ao salgar a berinjela antes de cozinhá-la. Dentre os vários fitoquímicos, a antocianina - pigmento responsável pela coloração preta, vermelha, púrpura e azulada, presente na casca da berinjela, é associada à redução de colesterol ruim (LDL), à prevenção de coágulos; do câncer e de infecções do trato urinário. Para deixá-la com cara de salada, vale temperar e servir gelada.

Proteína no prato

Uma dose de proteína animal também pode "animar" sua salada. Entretanto, os famosos ovinhos de codorna, não são a melhor opção para ingerir diariamente, tanto pela quantidade de calorias, quanto pelo colesterol. Na hora de incluir proteína nas saladas, prefira filé de frango grelhado ou kani (um embutido feito à base de carne de siri muito usado na culinária japonesa).

Cuidado com os complementos

Ao procurar por receitas de salada de inverno, muitas vezes encontramos saladas com os famosos pedacinhos de bacon, azeitonas, batata palha e queijos. Se sua intenção é deixar a salada mais apetitosa, mas não cheia de calorias, existem substituições boas para esses itens. O bacon pode ser trocado por tirinhas de filé de frango. A azeitona, que geralmente tem muito sódio, pode ser trocada pelo azeite. A batata palha, escolha de quem quer deixar o prato mais crocante, pode ser substituída pelos croutons, em pequena quantidade e de preferência integrais. Em relação aos queijos, é bom evitar os amarelos, que contêm mais gordura. Em relação aos molhos vale o cuidado. "Molhos à base de maionese são ricos em calorias. Se a intenção é montar uma salada magra, prefira azeite e ervas in natura para temperar", explica Roberta.

veja também