Novo tratamento aumenta em 20%

Novo tratamento aumenta em 20%

Atualizado: Quinta-feira, 30 Setembro de 2010 as 3:26

Terapia usa agentes que estimulam o sistema imunológico do corpo

Uma nova terapia aumenta em 20% a taxa de cura do neuroblastoma, um tumor maligno raro e mortal que afeta principalmente crianças. De acordo com estudo divulgado nesta quinta-feira (30), os pesquisadores obtiveram esses resultados utilizando agentes biológicos que estimulam o sistema imunológico (responsável pelo combate a infecções).

O neuroblastoma afeta principalmente o sistema nervoso simpático, que estimula o corpo a reagir em casos de estresse e se manifesta geralmente em forma de tumor no peito ou no abdome.

O estudo foi feito com 226 pacientes. A metade recebeu o tratamento padrão, com quimioterapia, e a outra parte uma imunoterapia com anticorpos (moléculas responsáveis por combater infecções) concebidos para destruir seletivamente as células cancerosas.

Depois de dois anos, 54% dos doentes tratados com quimioterapia sofreram uma recorrência do câncer, que quase sempre é fatal. No mesmo período, a doença reapareceu em apenas 34% dos pacientes tratados com a nova imunoterapia.

John Maris, diretor do centro de pesquisas do câncer infantil do Hospital de Crianças da Filadélfia e coautor da pesquisa, diz que a expectativa é que "os resultados do estudo mudem o enfoque clínico para tratar esse câncer geralmente mortal".

Terapia usa agentes que estimulam o sistema imunológico do corpo

Uma nova terapia aumenta em 20% a taxa de cura do neuroblastoma, um tumor maligno raro e mortal que afeta principalmente crianças. De acordo com estudo divulgado nesta quinta-feira (30), os pesquisadores obtiveram esses resultados utilizando agentes biológicos que estimulam o sistema imunológico (responsável pelo combate a infecções).

O neuroblastoma afeta principalmente o sistema nervoso simpático, que estimula o corpo a reagir em casos de estresse e se manifesta geralmente em forma de tumor no peito ou no abdome.

O estudo foi feito com 226 pacientes. A metade recebeu o tratamento padrão, com quimioterapia, e a outra parte uma imunoterapia com anticorpos (moléculas responsáveis por combater infecções) concebidos para destruir seletivamente as células cancerosas.

Depois de dois anos, 54% dos doentes tratados com quimioterapia sofreram uma recorrência do câncer, que quase sempre é fatal. No mesmo período, a doença reapareceu em apenas 34% dos pacientes tratados com a nova imunoterapia.

John Maris, diretor do centro de pesquisas do câncer infantil do Hospital de Crianças da Filadélfia e coautor da pesquisa, diz que a expectativa é que "os resultados do estudo mudem o enfoque clínico para tratar esse câncer geralmente mortal".

veja também