Nutricionista comenta a ineficácia de dietas famosas

Nutricionista comenta a ineficácia de dietas famosas

Atualizado: Terça-feira, 4 Maio de 2010 as 8:51

O termo “dietas da moda” é normalmente utilizado para descrever recursos e modificações dietéticas utilizadas com o objetivo principal de perda de peso corporal (emagrecimento rápido) e que geralmente são muito difundidos na população, especialmente entre mulheres.

A origem dessas dietas, em sua maioria, é desconhecida, não apresenta fundamento técnico ou científico e não há um “responsável” por elas ou “autor” conhecido. Por outro lado, a promessa de resultados rápidos faz que os usuários nem sequer se preocupem com esse fato. Algumas das dietas tidas como “da moda” são produzidas e veiculadas por médicos ou outros profissionais de saúde que por meio de publicações em livros, periódicos científicos e até na mídia acabam por tornarem-se famosas.

O princípio geral de todas elas é causar um desequilíbrio entre o total de calorias ingerido e o gasto energético, de modo a promover catabolismo (degradação) das gorduras do organismo que comumente se acumulam pelo corpo provocando efeito estético indesejável.

Em geral, a forma utilizada para promover esse desequilíbrio energético está pautada na omissão ou proibição do consumo de um determinado grupo de alimentos ou nutrientes. Outras dietas estimulam a ingestão exagerada de alguma substância ou nutriente com a promessa de que funcionará como um “queimador de gordura” ou “acelerador de metabolismo”.

Infelizmente, até hoje essas dietas não apresentaram resultados eficazes e duradouros. Quando “funcionam”, em geral seu efeito é apenas em curto prazo e elas ainda provocam, com a perda de peso, a degradação da condição de saúde. Isso porque estão associadas a deficiências de nutrientes específicos, redução da massa muscular, mau humor, tonturas, falta de energia e até mesmo doenças mais graves como anemia, dislipidemia, hipertensão, carência de vitaminas e minerais, constipação, reações alérgicas, entre outras.

O risco associado à prática de uma dieta sem equilíbrio nutricional está também no efeito sanfona, pois o emagrecimento muito rápido gera uma diminuição de massa muscular significativa ligada à chamada perda da gordura. Como os músculos são os principais responsáveis pelo aumento do metabolismo, sua degradação torna a taxa metabólica menor e assim que a pessoa encerra a dieta e volta a comer normalmente, recupera todo o peso perdido e ainda mais um pouco. Esse é o chamado efeito sanfona.

Alguns exemplos de dietas, suas características e riscos:

Dieta da USP - Essa dieta aproveita-se do nome da USP para dar a impressão de seriedade científica. A verdade é que a USP nunca elaborou nenhuma dieta como essa. De um modo geral, a chamada dieta da USP preconiza a restrição total de carboidratos, permitindo apenas o consumo de gorduras e proteínas. Ela pode ser perigosa, pois não é balanceada e há o consumo exagerado de proteínas e gorduras.

Dieta do Dr. Atkins - À base de proteínas, sem carboidrato, açúcar e frutas, a dieta estimula o consumo de gorduras e proteína animal. O desequilíbrio metabólico provoca um emagrecimento, além da própria gordura da alimentação gerar sensação de saciedade e diminuição do apetite.

Dieta de Beverly Hills - Caracterizada pelo consumo de apenas frutas, sugere que as enzimas acelerem a queima dos depósitos de gordura. A dieta é monótona e provoca carência de vitaminas.

O regime da Lua - sugere ingerir só líquidos durante as 24 horas antes de cada fase da Lua. Como a água facilita os processos de excreção, a perda de peso não está associada à perda de gordura. Além disso, pode ocorrer a perda de minerais.

Dieta da Sopa - Essa dieta é composta basicamente por muito líquido. Se a sopa for muito pobre em calorias ou nutrientes, emagrece, mas corre o risco de anemia ou carência de nutrientes. A única vantagem é que o organismo não desidrata.

Dieta do Tipo Sanguíneo - Sugere uma dieta diferente para cada tipo sanguíneo, pois acredita que, de acordo com o tipo sanguíneo, as necessidades nutricionais de cada um são diferentes e devem ser respeitadas. Não existe fundamentação científica que sustente essa teoria. Essa dieta pode gerar deficiências nutricionais importantes pelas restrições que impõe.

Dieta da Clara do Ovo - Essa dieta ganhou notoriedade quando a artista Scheila Carvalho declarou ter perdido 15 kg comendo apenas clara de ovo e batata. É claro que restringindo a dieta a apenas dois alimentos a pessoa vai sofrer de carências nutricionais.

Dieta dos Shakes - Estimula a substituição de uma refeição por uma mistura, que deve ser colocada na água, no suco ou no leite (milk shake) para diminuir as calorias. Este método leva a carências nutricionais, é enjoativo, monótono, e pode gerar efeito sanfona, anemia e hipoproteinemia.

Dieta do Atum - Essa dieta orienta o consumo de várias porções de atum enlatado. Como a base da dieta é apenas um tipo de alimento, há carência de nutrientes como carboidratos, cálcio e ferro.

Podemos notar que todas as dietas apresentam mais prejuízos à saúde do que efeitos reais e duradouros.

A melhor maneira de conseguir emagrecer de forma saudável e eficiente é seguir uma dieta equilibrada, variada, rica em alimentos naturais, bem colorida e que contenha todos os grupos de alimentos (cereais, frutas, verduras, legumes, carnes, leite e substitutos, grãos, açúcar e gorduras saudáveis) em proporções adequadas. O melhor profissional para orientar uma dieta saudável é o nutricionista, que pode promover a educação nutricional para alcançar hábitos alimentares saudáveis e manutenção de peso dentro do adequado, com efeitos duradouros, sem sacrifícios e riscos para a saúde.

Glaucia Figueiredo Braggion - Nutricionista, Mestre em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo (USP), Doutoranda em Educação Física pela Universidade São Judas Tadeu (USJT) e Gestora do curso de Nutrição da Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS).

veja também