O risco cardiovascular na mulher na menopausa

O risco cardiovascular na mulher na menopausa

Atualizado: Quarta-feira, 29 Abril de 2009 as 12

Doenças cardiovasculares já representam 1/3 de todas as causas de morte na mulher

A prevalência da hipertensão arterial aumenta com o avançar da idade e a mulher apresenta maior chance de desenvolver o problema com o inicio da menopausa. Cerca de 80% das mulheres, eventualmente, desenvolverão hipertensão arterial nesta fase. Este e outros aspectos relacionados a saúde cardiovascular das mulheres serão abordados no dia 30 de abril, no Expo Center Norte, em São Paulo.

As doenças cardiovasculares já representam 1/3 de todas as causas de morte na mulher. "Estes dados mostram a necessidade de um acompanhamento mais rigoroso da pressão arterial feminina e de outros fatores de risco cardiovascular, principalmente durante a menopausa", explica a cardiologista Dra Andréia Loures Vale, palestrante do evento e presidente da Sociedade Mineira de Cardiologia. "Ressalto que a menopausa não é uma doença, mas sim, uma fase na vida da mulher que merece cuidados especiais", diz.

As manifestações clínicas da doença cardiovascular aparecem em média cerca de 10 a 15 anos mais tarde nas mulheres do que nos homens. "Poucas mulheres controlam os fatores de risco cardiovascular, sendo que a maioria desconhece esses fatores ou não faz o controle de maneira adequada", afirma Dra. Andreia. Um dos principais motivos que levam as mulheres a apresentar mais problemas cardiovasculares do que os homens é a redução hormonal característica da menopausa. "Neste período, a mulher perde a proteção estrogênica (principal hormônio feminino que ajuda na proteção das artérias)", explica o ginecologista Dr. César Eduardo Fernandes, palestrante do evento e professor da Faculdade de Medicina do ABC, coordenador da I Diretriz Brasileira sobre prevenção cardiovascular em mulheres climatéricas e presidente do conselho científico da SOBRAC - Associação Brasileira do Climatério.

Em 2008, a Sociedade Brasileira de Cardiologia e a Sociedade Brasileira do Climatério publicaram uma diretriz específica para a prevenção do risco cardiovascular em mulheres na menopausa. O documento traz recomendações como: controlar a hipertensão arterial, o diabetes mellitus (Tipo 2) e o colesterol elevado, abandonar o cigarro, praticar atividade física (pelo menos 30 minutos de 3 a 6 dias por semana), buscar uma dieta equilibrada rica em frutas, verduras e vegetais, entre outros. "O trabalho reconhece também que, diferentemente do que ainda preocupava alguns especialistas, a terapia de reposição hormonal não aumenta o risco de infarto do miocárdio e pode até trazer benefícios para a mulher", afirma o ginecologista

A terapia hormonal tem indicações bastante definidas e aceitas consensualmente na literatura médica como alternativa para o alívio dos sintomas do climatério. O que difere as terapias entre si são os progestógenos (tipos de hormônios), pois cada um traz benefício diferente. Entre as terapias disponíveis no mercado, a drospirenona (Angeliq®, da Bayer Schering Pharma) demonstrou em diversos estudos efeitos significativos na redução da pressão arterial das mulheres, além do alívio dos sintomas da menopausa. Devido à sua propriedade antimineralocorticóide e antiandrogênica, a drospirenona evita a retenção de líquido e o aumento de peso, produzindo efeitos diretos sobre o sistema cardio-circulatório.

O que é pressão alta

A pressão arterial é a força exercida pelo sangue contra a parede dos vasos, as artérias. Quando esta força é maior do que o normal, chamamos de hipertensão arterial (pressão alta).. O aumento contínuo da pressão arterial faz com que ocorram danos nas artérias de diversas partes do organismo. Para a Organização Mundial de Saúde (OMS) os valores de 120x80mmHg correspondem à pressão arterial ótima. Valores pressóricos superiores a 140x90mmHg denotam Hipertensão, quando encontrados em múltiplas medições, e em diferentes horários, posições e condições (em repouso, sentado ou deitado).

Congresso

De 30 de abril a 2 de maio acontece o XXX Congresso da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo - SOCESP, onde o Bayer Schering Pharma, divisão da Bayer HealthCare realiza o simpósio "O risco cardiovascular na mulher na menopausa.

Serviço

XX Congresso da SOCESP

Simpósio: O risco cardiovascular na mulher na menopausa

Local: Expo Center Norte

Palestrantes:

Dr. César Eduardo Fernandes

Dra. Andréia Assis Loures Vale

Dr. Freddy Eliaschewitz

Foto: http://vivermenopausa.com/

Postado por: Adriana Amorim

veja também