Obesidade infantil já é epidemia no estado do Rio

Obesidade infantil já é epidemia no estado do Rio

Atualizado: Segunda-feira, 19 Maio de 2008 as 12

O tratamento para obesidade infantil, uma enfermidade crônica acompanhada de diversas complicações, tem sido cada vez mais procurado no ambulatório de Endocrinologia Pediátrica do Instituto Estadual de Diabetes e Endocrinologia Luiz Capriglione (Iede), vinculado à Secretaria de Saúde e Defesa Civil. Crianças acima do peso, subalimentadas e anêmicas são atendidas diariamente por uma equipe formada por nutricionista, psicóloga, endocrinologista, pediatra e assistente social.

Má alimentação e sedentarismo são as principais causas da obesidade infantil. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), 155 milhões de jovens apresentam excesso de peso em todo o mundo. No Brasil, a doença cresceu aproximadamente 240% nos últimos 20 anos.

Para a coordenadora de Endocrinologia do Iede e presidente da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Regional do Rio de Janeiro, Vera Leal, a obesidade infantil no estado do Rio de Janeiro cresceu com gravidade e se transformou em uma epidemia.

O grande problema há uns anos era a desnutrição e está havendo uma transição para a obesidade, uma obesidade que não é saudável por diversos aspectos. "Muitas vezes as crianças obesas são desnutridas, pois não se alimentam corretamente", explica.

A doença crônica, que tem sido a principal produtora do aumento de casos de diabetes e problemas cardiovasculares em crianças, pode ser causada por fatores genéticos, ambientais (devido aos hábitos alimentares da família) e hormonais. O sedentarismo está entre um dos principais inimigos dos jovens.

Crianças que não fazem exercícios e não têm uma alimentação adequada podem sofrer, futuramente, de obesidade. As merendas nas escolas também são fatores que influenciam na má alimentação - diz a endocrinologista, Latife Tyszler.

Segundo Vera Leal, a pior gordura é a abdominal. A pessoa obesa por um todo é diferente da que tem a gordura concentrada no abdômen. A gordura visceral é a preditora de risco de um individuo ter doença coronariana e diabetes.

Praticar atividade física pelo menos três vezes por semana e consumir alimentos saudáveis podem evitar e controlar a obesidade em crianças, que sofrem os mesmos riscos de um adulto acima do peso.

O pilar do tratamento é dieta e exercício. O uso de medicamentos para tratar crianças abaixo de 12 anos não é autorizado. O maior estímulo para envidar esforços no tratamento da obesidade infantil é que esta é a fase na qual podemos mudar o estilo de vida. A criança, sendo criada em um ambiente onde possua alimentação balanceada, não terá que mudar seus hábitos alimentares ao se tornar adulta. Esse será o estilo de vida dela. "Tenho notado que estamos conseguindo bons resultados", afirma.

Os pacientes da Endocrinologia Pediátrica estão satisfeitos com os serviços prestados pela instituição, que montou um espaço próprio para atender casos da doença crônica.

"O ambulatório é maravilhoso. Eu e minha filha somos bem tratadas aqui. Aprendi muitas coisas com os médicos do ambulatório de pediatria", conta Miraci Gomes Silva de Souza, que leva a filha Lorrany ao Iede uma vez por semana.

O Instituto Estadual de Diabetes e Endocrinologia Luiz Capriglione atende pacientes com diferentes patologias endócrinas, através de ambulatórios especializados como Tiróide, Diabetes, Obesidade, Doenças Osteometabólicas, Andrologia, Endocrinologia Pediátrica, entre outros. O Iede possui ainda o Núcleo de Atendimento Neonatal, responsável pelo 'Teste do Pezinho' para o Rastreamento do Hipotiroidismo Congênito.

O serviço de Endocrinologia do Iede, que fica na Rua Moncorvo Filho, 90, no Centro, funciona diariamente, das 8h às 16h. Para fazer o primeiro atendimento, o paciente passa por uma triagem, de acordo com a disponibilidade de vagas. É preciso apresentar documento de identidade, CPF, comprovante de residência, encaminhamento médico de hospital da rede pública com o resumo do caso, resultado de exames e relação de remédios tomados pela criança.  

veja também