Obesidade será discutida em oito capitais brasileiras

Obesidade será discutida em oito capitais brasileiras

Atualizado: Quarta-feira, 26 Março de 2008 as 12

Uso de Balão Gástrico ocupa até 40% do volume estomacal reduzindo a vontade de comer

No próximo dia 5 de abril, o Rio de Janeiro será sede de um workshop sobre o uso do balão gástrico, dispositivo utilizado por pacientes que apresentam obesidade mórbida ou estão acima do peso. Ministrado pelo professor da Universidade de Pernambuco, o cirurgião-gastroenterologista Gustavo Carvalho, o evento terá transmissão simultânea para mais sete cidades brasileiras: São Paulo, Salvador, Brasília, Goiânia, Porto Alegre, Curitiba e Florianópolis. Durante o workshop, o médico demonstrará duas colocações e retiradas de balões gástricos, ao vivo. O evento acontece das 09h às 13h, sem taxa de inscrição.

O Balão Gástrico, como o próprio nome já diz, é um dispositivo redondo, produzido com uma membrana de silicone, que, juntamente conectada a um tubo de enchimento, proporciona a perda de peso. O dispositivo, ainda vazio, é inserido oralmente no paciente sedado via endoscopia. Uma vez no estômago, o balão gástrico é preenchido com solução salina e azul de metileno (450 ml a 750 ml). A válvula do balão é automaticamente lacrada quando o cateter é removido. Todo o procedimento de inserção e retirada é realizado em apenas 15 minutos, não necessita de internação ou anestesia, pois é feito com sedação no próprio ambulatório.

O balão possui vida útil de seis meses, proporcionando, neste período, uma perda significativa de peso, que varia de 8 a 25 quilos. Apenas 5% dos pacientes rejeitam o balão no organismo. Efeitos adversos, como vômitos e náuseas, logo após o balão ter sido colocado, são controlados facilmente com medicamentos. O paciente deve ter o acompanhamento médico e nutricional, sem abdicar, claro, da manutenção do tratamento e a realização de exercícios físicos.

Esta técnica é indicada para aqueles pacientes que querem perder de 10 a 15% do peso corporal, mas não podem, não devem, ou não querem enfrentar uma cirurgia de redução de estômago, por exemplo. Preocupação mundial, a obesidade, só no Brasil, atinge 40,6% da população, o que significa que mais de 38,8 milhões de brasileiros estão acima do peso ( Fonte IBGE). Por esse motivo, a procura pela colocação do balão gástrico aumenta a cada ano.

Fabricado no Brasil pela Silimed, o balão gástrico foi desenvolvido pelo gastroenterologista Gustavo Carvalho em parceria com a empresa e hoje está sendo utilizado no mundo todo.

veja também