Os sinais do AVC

Os sinais do AVC

Atualizado: Terça-feira, 4 Outubro de 2011 as 11:01

O AVC é a principal causa de incapacidade funcional no mundo e, no Brasil, de morte por causas cardiovasculares. A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que mais de 5 milhões de pessoas morram a cada ano por causa de acidentes cardiovasculares.

Segundo a Sociedade Brasileira de Doenças Cerebrovasculares, o AVC, também conhecido como derrame cerebral, é responsável por 30% dos óbitos registrados no País. Mesmo os pacientes que sobreviveram a um AVC correm riscos: cerca de 50% morrem após um ano, 30% necessitam de auxílio para caminhar e 20% ficam com sequelas graves.

Segundo o médico Selmo Minucelli, estudos sugerem que mais de 80% dos AVCs do tipo isquêmico (em que há obstrução dos vasos), precedidos por uma espécie de alerta, que pode ser classificado como acidente isquêmico transitório, podem ser evitados.

De acordo com o médico, o acidente vascular isquêmico é o tipo mais comum de derrame, com 80% dos casos. Os demais são do tipo hemorrágico, onde o vaso se rompe e que raramente tem sinais prévios. Este foi o caso do técnico do Vasco. Os ataques transitórios, também chamados quase-derrames, costumam ser mais comuns em idosos e em portadores de problemas cardiovasculares, diabetes ou hipertensão.

A dra. Natasha Slhessarenko explica que os sintomas dos acidentes isquêmicos transitórios são similares aos do AVC, mas têm intensidade menor e costumam durar menos de 24 horas. “O paciente pode apresentar, principalmente, dormência ou fraqueza no rosto, no braço ou na perna, geralmente em um lado do corpo, além de dificuldades na fala ou esquecimentos. A maioria dos casos se resolve em uma ou duas horas e desaparece espontaneamente”, explica.

Sinais do AVC:

- Fraqueza de um lado do corpo;

- Dormência de um lado do corpo;

- Dificuldade visual;

- Dificuldade para falar;

- Dor de cabeça muito forte e sem motivo aparente;

- Incapacidade de se manter em pé ou forte tontura.

Para evitar o AVC:

- Pratique exercícios regulares;

- Controle do peso;

- Alimentação balanceada, evite o consumo de alimentos com gorduras saturadas (presentes naturalmente nos alimentos de origem animal, azeite de dendê, coco, óleo de coco e banha) e trans (biscoitos, chocolates, sorvetes, bolos, pães e outros);

- Não fume;

- Evite o excesso de álcool;

- Cuidado com o estresse - procure a princípio orientação de um médico clínico geral; esse poderá recomendar o tratamento mais indicado para fazer o controle do estresse. 

- Se tiver mais de 40 anos, realizar pelo menos uma vez por ano check ups, com controles de pressão arterial, dosagem de glicose e colesterol no sangue;

- Se tiver diagnóstico de hipertensão arterial, diabetes, colesterol alto ou qualquer doença do coração, fazer acompanhamento médico para controle dessas patologias.

veja também