Os velhos precoces

Os velhos precoces

Atualizado: Quinta-feira, 24 Novembro de 2011 as 8:29

A longevidade é uma grande conquista da humanidade. Quando o século 20 começou, uma pessoa vivia 30 anos. Atualmente, a expectativa de vida no mundo gira em torno dos 68 anos. A medicina avançou e vencemos doenças que transformavam os primeiros anos da infância em uma loteria. Em breve, o corpo humano será capaz de continuar ativo por muito mais tempo. Mas viver muito não significa viver com saúde. E o nosso estilo de vida atual está provocando nas crianças doenças que antes eram exclusivas de adultos e de velhos. 

É o caso do reumatismo, surgido do esforço dos jovens que fazem movimentos repetidos para jogar com seus videogames. Os consultórios médicos já começam a receber crianças de menos de 8 anos com danos nas mãos e nos braços similares aos que levam um trabalhador adulto a ser considerado inapto para o trabalho, tamanhos os problemas na musculatura e nas articulações que surgem. 

Outro problema grave é a obesidade. Cerca de 33% das crianças brasileiras estão acima do peso. Isso faria um sucesso enorme há alguns anos, quando travávamos a luta contra a desnutrição infantil. Hoje o desafio é oposto. Crianças obesas estão expostas aos riscos das complicações da obesidade, como as doenças cardiovasculares e o diabetes, em especial o tipo 2, que sempre foi doença de adulto de mais de 40 anos. Mas temos visto, nos consultórios, pais sem histórico da doença inconformados com o diagnóstico de seus filhos. É que muitas crianças são sedentárias e consomem alimentos industrializados demais, sempre ricos em gordura, sal e carboidratos. Mais que isso, várias delas foram expostas, enquanto ainda estavam na barriga de suas mães, aos excessos desse tipo de comida e passaram a produzir insulina para se adaptar ao volume de carboidratos trazidos pelo sangue materno. 

Os mesmos pais se apavoram quando o pediatra indica um cardiologista a seus pequenos — estudos abordando o problema começaram a surgir nos últimos 10 anos. É que muitas crianças estão desenvolvendo hipertensão arterial. Aos 30 anos de idade, elas terão corações com 20 anos de hipertensão arterial, o que equivale ao coração de um idoso. Em um corpo jovem. 

E ainda nem falamos da cirrose. O chamado fígado gorduroso já atende pelo maior contingente de pessoas com cirrose hepática no mundo. No caso das crianças, a principal fonte deste problema é o açúcar que vem dos refrigerantes, por exemplo — o mesmo que ajuda a causar diabetes. 

A indústria tem responsabilidade neste quadro, já que muitos alimentos têm quantidades gigantescas de açúcar e gordura. Mas são os pais que precisam ficar atentos à alimentação e hábitos de seus filhos. No passado, a família foi fundamental para a prevenção de doenças infecciosas e parasitárias. Agora, precisa atuar novamente. Se a era das doenças crônicas graves chegar para ficar, é possível que os adultos do futuro não vejam graça em viver mais. 

* Sérgio Bontempi Lanzotti é reumatologista e diretor do Instituto de Reumatologia e Doenças Osteoarticulares (Iredo), em São Paulo. 

veja também