Paciente que fez cirurgia de obesidade terá carteirinha

Paciente que fez cirurgia de obesidade terá carteirinha

Atualizado: Quinta-feira, 10 Novembro de 2011 as 9:52

A iniciativa é inédita no mundo, segundo o presidente da entidade, Ricardo Cohen, e foi inspirada nos documentos dados a pacientes submetidos a cirurgia cardíaca e colocação de marcapasso.

Editoria de arte/Folhapress

O objetivo é oferecer mais segurança às pessoas que passaram por cirurgia de obesidade quando forem atendidas por outros médicos, principalmente em emergências.

"A carteirinha é um guia para que os não especialistas possam tratar os pacientes mais adequadamente", afirma Cohen.

O número de pacientes que fizeram cirurgia bariátrica vem crescendo. Em 2010, 60 mil pessoas passaram por uma operação, contra 45 mil em 2009 e 38 mil em 2008, segundo dados da sociedade.

Com o aumento do número de cirurgias, cada vez mais operados acabam procurando serviços de emergência pelo país, fora dos grandes centros médicos, diz Cohen.

A SBCBM promove cursos mensais sobre as bases da cirurgia bariátrica por todo o país, para que médicos não especializados tenham noções básicas dos efeitos do procedimento sobre o organismo dos pacientes.

A carteirinha vai facilitar o atendimento dos operados. O documento traz o nome do paciente, do cirurgião, a data da operação e o tipo de técnica adotada: banda gástrica ajustável (que "estrangula" o estômago); gastrectomia vertical (redução do estômago); derivação biliopancreática (que faz um desvio do intestino delgado para reduzir a absorção de nutrientes) ou derivação gastrojejunal em Y de Roux (grampeamento do estômago).

CUIDADOS ESPECIAIS

Os operados precisam de cuidados especiais em caso de apendicite, endoscopia, obstrução do intestino, gravidez, cesariana, entre outros.

"Os médicos também devem ter alguns cuidados diferentes em relação à administração de remédios. Se o paciente que fez operação bariátrica tem uma pneumonia, deve tomar um tipo específico de antibiótico", explica o cirurgião.

A própria cirurgia também pode causar complicações a longo prazo e levar o paciente a procurar outros médicos, especialmente pela diminuição da absorção de nutrientes.

A falta de vitaminas B, D e cálcio pode causar problemas, como osteoporose, e requerer suplementação com uso de comprimidos.

A desnutrição também pode acontecer, mas é rara: atinge 1% dos pacientes. A carteirinha será distribuída aos pacientes pelos próprios cirurgiões.

veja também