Parei de fumar e agora?

Parei de fumar e agora?

Atualizado: Quarta-feira, 4 Junho de 2008 as 12

Dia 31 de maio é o Dia Mundial Sem Tabaco, uma iniciativa da Organização Mundial da Saúde (OMS) para alertar a população sobre os males causados pelo hábito de fumar. Muitos tabagistas que reconhecem esses danos e decidem parar, ainda sofrem com as conseqüências do antigo vício, principalmente com bronquite, enfisema e a Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DOPC).

 "A nicotina liberada pela queima do cigarro irrita os pulmões e estruturas respiratórias, causando uma reação inflamatória que modifica a os brônquios e obstrui o fluxo aéreo", explica Rita de Cássia Miranda, fisioterapeuta cardio-respiratória da Clínica Contato.

Toda a respiração é prejudicada, diminuindo a oxigenação dos tecidos e causando a desnutrição dos músculos. Assim, as pernas e braços ficam mais fracos e o paciente precisa de mais energia para realizar tarefas rotineiras. "Com o aumento do cansaço, dores musculares e câimbras, a pessoa acaba se afastando de atividades físicas e o sedentarismo piora a sua condição", afirma Dra. Rita.

Uma opção de tratamento para pacientes com DOPC é a fisioterapia respiratória, que pode aliviar a falta de ar, melhorar o condicionamento cardiovascular, aumentar a força muscular e promover a qualidade de vida. "Com aplicação de algumas manobras, orientação dos padrões respiratórios e posturas facilitadoras da ventilação pulmonar, o fisioterapeuta respiratório atua no tratamento da DPOC, promovendo a desobstrução dos brônquios", aponta a especialista.

Quando necessário, o profissional pode prescrever e orientar exercícios aeróbicos e de força para melhorar o condicionamento cardio-respiratório, a força muscular e a flexibilidade articular, diminuindo os sintomas da doença.

Logo, o paciente volta às suas atividades diárias, sem precisar gastar tanta energia quanto antes. Durante o tratamento médico e medicamentoso, o acompanhamento do fisioterapeuta ajuda os pacientes e familiares a aprenderem como lidar com a doença e com as crises. "A orientação profissional estimula ainda toda a família a abandonar hábitos nocivos à saúde como o tabagismo e o sedentarismo - fatores de risco predisponentes às doenças cardiovasculares, câncer e DPOC", salienta.

O poder das agulhas

A acupuntura, técnica oriental que usa agulhas para estimular pontos específicos do corpo, também pode ser uma aliada para abandonar o fumo e, depois, para recuperar a saúde. "A acupuntura ajuda a fortalecer os órgãos comprometidos pelo fumo, inclusive o pulmão, e ainda diminui a ansiedade na fase da abstinência", explica a acupunturista da Clínica Contato, Dra. Alessandra Bannwart.

Pesquisas da Organização Mundial da Saúde, publicadas em 2002, mostraram que a acupuntura reduz em até 70% o prazer de fumar. Assim, sem prazer no fumo, o paciente tem maior facilidade em manter-se afastado do vício. "Sempre indico a meus pacientes que além do tratamento convencional e da acupuntura, a mudança de ambientes e de ritmo de vida, uma boa alimentação, prática de atividades físicas e o convívio social são fundamentais para o êxito na luta contra o cigarro", considera.  

Postado por: Claudia Moraes

veja também