Paulistas correm mais risco de ter linfomas

Paulistas correm mais risco de ter linfomas

Atualizado: Sexta-feira, 25 Novembro de 2011 as 10:18

O linfoma do tipo não Hodgkin, doença que acometeu a presidente Dilma Rousseff e contra a qual o ator Reynaldo Gianecchini está em tratamento, apareceu pela primeira vez nas estimativas do Inca (Instituto Nacional do Câncer). Entre as mulheres, o Estado de São Paulo lidera a previsão de novos casos para o próximo ano: são esperados 7,08 tumores a cada 100 mil mulheres paulistas, afirma o coordenador-geral de Assuntos Estratégicos do Inca, Carlos Noronha.

- O linfoma entra pela primeira vez nas estimativas pela sua magnitude, com uma incidência acima das leucemias, tanto em homens como em mulheres.

"O linfoma é mais incidente na população idosa. O envelhecimento da população corrobora para o surgimento da doença", explica o hematologista Garles Matias Vieira, médico do Hospital A.C. Camargo.

- Também há outros fatores. O uso de terapias imunossupressoras, para o tratamento de doenças autoimunes, como artrite reumatoide, doença de Crohn, ou para evitar a rejeição de órgão transplantado favorece o surgimento do linfoma.

O linfoma não Hodgkin é um câncer do sistema linfático e tem mais de 20 subtipos diferentes catalogados pela OMS (Organização Mundial de Saúde).

Os primeiros sintomas incluem o aumento de gânglios (popularmente conhecidos como nódulos ou ínguas), que ficam palpáveis no pescoço, axilas, virilha. Outros sinas da doença são febre persistente por mais de 15 dias e perda não intencional de mais de 10% do peso. O tratamento varia conforme o subtipo da doença - radioterapia, quimioterapia ou transplante de medula óssea.

veja também