Pesquisa mede impacto emocional da infecção pelo HPV em mulheres

Pesquisa mede impacto emocional da infecção pelo HPV em mulheres

Atualizado: Quinta-feira, 29 Julho de 2010 as 8:47

As verrugas genitais causadas pelo HPV (papilomavírus humano) provocam mais impacto na vida das mulheres do que as lesões internas causadas pelo mesmo vírus, que não aparecem a olho nu, mas são mais graves.

A conclusão é de um pequeno estudo com 29 pacientes da Santa Casa de São Paulo.

O HPV é a doença sexualmente transmissível mais comum e afeta cerca de 630 milhões de pessoas no mundo.

Há dois tipos de reação ao HPV: a verruga genital, de baixo risco, e a lesão pré-cancerosa e o câncer, que não são visíveis, mas são de alto risco. O levantamento mostra que a preocupação e o medo são os sentimentos campeões quando o diagnóstico da doença é revelado, seguidos pela raiva.

Segundo a ginecologista Adriana Campaner, coordenadora do estudo, o diagnóstico do HPV causa brigas entre as mulheres e seus companheiros. Entre as avaliadas, 21% relataram conflito com o parceiro lingando a doença à infidelidade e 10% romperam suas relações por causa disso.

Mas, segundo Campaner, essa reação é equivocada, porque não é possível identificar quando a pessoa contraiu o vírus. "A manifestação das lesões pode levar anos."

NÚMEROS

Segundo a ginecologista, 80% das mulheres do mundo todo vão se infectar com HPV pelo menos uma vez na vida. Ainda afirmou que a chance de uma mulher contrair o vírus em uma relação sexual é de 30% a 60%.

TRANSMISSÃO

Em 90% dos casos, o HPV é transmitido por relações sexuais, mas há casos de pessoas que já contraíram o vírus pelo contato com o vaso sanitário, uma toalha umedecida, sabonete e até material cirúrgico que não foi higienizado.

TRATAMENTOS

O condiloma pode ser tratado por métodos químicos ou físicos, que destróem a lesão. Já para tratar a lesão pré-cancerosa, é necessário fazer uma cirurgia para retirada da lesão. O tratamento para o câncer no colo do útero depende do grau de comprometimento do organismo.

"O ideal é descobrir as lesões pré-cancerosas antes de virarem câncer", alerta a ginecologista. "Mas em apenas uma em cada cem mulheres o HPV evolui para o câncer."

PREVENÇÃO

A prevenção contra a doença inclui a prática de sexo seguro, a vacinação e exames regulares -como o papanicolau e a consulta ginecológica de rotina.

Postado por: Felipe Pinheiro

veja também