Pesquisa mostra vulnerabilidade do cérebro à obesidade

Pesquisa mostra vulnerabilidade do cérebro à obesidade

Atualizado: Quarta-feira, 18 Novembro de 2009 as 12

Uma nova pesquisa afirma que uma máxima popular, realmente se aplica: "você é o que você come", ou ainda, o que você come tem uma influência direta do seu cérebro. Os resultados oferecem algumas pistas de fatores neurobiológicos por trás da epidemia de obesidade que parece ocorrer no mundo todo. A obesidade é uma doença que está ligada ao aumento da diabetes, acidente vascular cerebral (AVC), e ataques cardíacos, entre outros malefícios para a saúde.

De acordo com os resultados, apresentados durante o encontro anual Neuroscience 2009, há uma mudança na química cerebral durante períodos de dietas ou de ganho de peso. Os dados mostraram, entre outras coisas, que trabalhadores com turnos à noite ou outras pessoas com padrões de sono alterado são mais propensas a ganhar peso, desenvolver impulsividade, diminuir o ritmo cognitivo e outras mudanças comportamentais que podem contribuir com a obesidade.

Em modelos animais estudados, uma alimentação com excesso de gordura mostrou uma redução da sensibilidade à insulina (fator que pode contribuir tanto para a obesidade quanto para a diabetes) e esses animais tinham a propensão a passar essas mesmas características para as gerações posteriores.

Além disso, também foi notado que o desenvolvimento cerebral da segunda geração desses animais, aumentava não só a questão relativa à facilidade de ganho de peso, mas também que esses indivíduos eram mais propensos a desenvolver quadros de dependência química.

Os dados também sugerem que os centros de prazer desses animais de segunda geração respondiam cada vez pior aos estímulos (como alimentos ricos em calorias), com resultados similares aos encontrados em ratos induzidos ao vício de cocaína ou heroína. Quanto mais o tempo passava, menos esses animais procuravam por comidas saudáveis, mesmo quando essa era a única opção, optando sempre por comidas ricas em calorias.

"O cérebro é a base para determinados comportamentos", disse Ralph DiLeone, da Universidade de Yale, e especialista em mecanismos neurais de consumo alimentar. "Com o aumento dos casos de obesidade é necessário entender os mecanismos neurobiológicos que podem ser responsáveis pelo controle de respostas à dietas ricas em gordura", finalizou.

veja também