Polícia indicia quatro por morte de doadora de medula óssea

Polícia indicia quatro por morte de doadora de medula óssea

Atualizado: Segunda-feira, 25 Julho de 2011 as 11:35

Duas médicas e duas enfermeiras foram indiciadas pela morte da estudante de Enfermagem Luana Neves Ribeiro, de 21 anos, ocorrida no dia 4. A universitária estava no Hospital de Base, em São José do Rio Preto (SP), para doar a medula óssea a uma criança do Rio com leucemia.

As médicas foram indiciadas por homicídio culposo (quando não há intenção de matar) e as enfermeiras, por omissão de socorro, segundo a delegada assistente Luciana de Almeida do Carmo, do 5.º Distrito Policial de São José do Rio Preto.

De acordo com laudo da Faculdade de Medicina de Rio Preto, Luana - que estava cadastrada no Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (Redome) - foi vítima de erro médico.

A coleta exige um implante nas veias dos braços. Segundo o hospital, os médicos não conseguiram fazê-lo e, por isso, colocaram um cateter na artéria jugular, procedimento simples, informou na época da morte o hematologista Otávio Ricci Júnior, responsável pelo Serviço de Transplantes de Medula Óssea do HB.

Durante a implantação do cateter, porém, a jovem teve a veia subclávia perfurada. Os médicos não diagnosticaram o erro e liberaram a moça. Quatro horas depois, Luana foi levada ao hospital, reclamando de fortes dores. Ela agonizou por mais de uma hora sem receber atendimento médico.

A perfuração provocou hemorragia e choque hipovolêmico (queda de pressão causada por vazamento de sangue), o que levou a universitária à morte.

AE

veja também