Poluição duplica risco de morte em transplantes de pulmão.

Poluição duplica risco de morte em transplantes de pulmão.

Atualizado: Sexta-feira, 25 Março de 2011 as 8:46

Viver em áreas com muita poluição, como perto de ruas com muito trânsito, dobra o risco de morte entre pacientes submetidos a transplantes de pulmão, publica em sua última edição a revista científica "Thorax".

Uma equipe da unidade de transplantes da Universidade Católica de Louvain (Bélgica) realizou um acompanhamento de 281 pacientes operados em um mesmo hospital de 1997 até 2008 e observou que cerca de metade desenvolveu uma síndrome chamada bronquiolite obliterante, que provoca uma "inflamação severa" que obstrui o pulmão.

Os cientistas levaram em conta em sua pesquisa a distância à qual os pacientes viviam de uma fonte de poluição importante, como uma via muito transitada, para determinar o impacto da poluição na percentagem de sobrevivência após um transplante.

Segundo o estudo, aqueles pacientes que vivem mais perto de uma rua com muito trânsito --a menos de 170 metros-- têm o dobro de possibilidades de morrer durante os cinco anos posteriores a uma cirurgia de transplante de pulmão em relação aos que vivem mais afastados de uma fonte de poluição ambiental.

Durante o acompanhamento médico de mais de uma década, 41% dos pacientes (117) desenvolveram a síndrome inflamatória, enquanto 22% (61) morreram.

Os cientistas ressaltaram que gênero, idade e tipo de transplante --de um ou dois pulmões-- não modificou o risco de vida devido às complicações derivadas da operação.

Os autores concluíram que um de cada quatro casos de "bronquiolite obliterante", assim como quase 30% das mortes após um transplante de pulmão, podem ser atribuídas à poluição.  

veja também