Prática de exercícios e vitamina D reduzem risco de Alzheimer

Prática de exercícios e vitamina D reduzem risco de Alzheimer

Atualizado: Terça-feira, 13 Julho de 2010 as 9:06

Cientistas relataram, nesta segunda-feira (12), avanços na prevenção e na previsão do mal de Alzheimer em uma conferência que acontece nesta semana em Honolulu, nos Estados Unios. Eles também mostraram provas de que fazer exercícios e tomar vitamina D podem diminuir os riscos da doença.

Segundo os pesquisadores, melhoraram as formas de escaneamento para detectar o Mal de Alzheimer e testes de sangue e do fluido da espinha podem ajudar a dizer quem irá desenvolver a doença e quando. Mas o que é mais necessário - um tratamento que faça mais do que aliviar os sintomas – ainda não virou realidade.

Segundo William Thies, diretor científico da Associação de Alzheimer, os cientistas ainda não sabem "o que contribui para o avanço da doença", além de não ter havido no desenvolvimento de novos remédios.

Vários deles, que prometiam muito, fracassaram em testes avançados, como aconteceu com o Rimebon da Pfizer. Resultados com os outros medicamentos só estarão prontos no ano que vem.

Ainda assim, houve algum progresso contra o Alzheimer, um tipo de doença que afeta mais de 5 milhões de americanos e mais de 26 milhões de pessoas em todo mundo.

Entre os destaques do estudo, o pesquisador chamou a atenção para alguns:

Prevenção

Pessoas que fazem exercícios de moderados a mais pesados têm 50% menos chances de desenvolver a doença em comparação com indivíduos sedentários, revelaram pesquisadores do Framingham Heart Study. Pesquisas anteriores já tinham mostrado que os exercícios ajudam.

Outro estudo bancado pelo governo americano descobriu que a falta de vitamina D pode elevar o risco de comprometimento mental em até quatro vezes. Mas os médicos avisam que isso não significa que tomar suplementos resolva o problema. Um grande estudo está testando se a vitamina é segura e ajuda a impedir várias doenças.

Novos tratamentos

Testes com um spray nasal de insulina para melhorar a capacidade de aprendizado ofereceram resultados encorajadores, mas ainda são necessários estudos maiores para ver se ele funciona e se é seguro. A explicação é de Laurie Ryan, que supervisiona bolsas de estudo sobre Alzheimer para o Instituto Nacional de Envelhecimento, que bancou o estudo.

A pesquisa é baseada em uma teoria de que o Alzheimer e o diabetes estão relacionados. Laura conta que os diabéticos tendem a ter um risco maior de desenvolver Alzheimer e os pacientes de Alzheimer, de ter resistência à insulina.

A aspiração de insulina leva a substância direto para o cérebro sem afetar os níveis de açúcar do sangue, explicou ela. A cientista acrescentou que se funcionar, seria bem mais fácil de administrar porque "não é como tomar uma injeção todos os dias, além de ser mais barato".

Postado por: Felipe Pinheiro

veja também