Primeiro transplante de fígado inter vivos do Hospital São Paulo

Primeiro transplante de fígado inter vivos do Hospital São Paulo

Atualizado: Sexta-feira, 9 Maio de 2008 as 12

O pequeno Arthur da Silva Farias, de 5 meses, que sofria de atresia das vias biliares (problema congênito, que consiste na inexistência do canal da bile), necessitava urgentemente de um transplante de fígado. Seu pai, Marcelo Araújo Farias, marceneiro de 25 anos, se prontificou a ser o doador, caso seus exames apontassem a compatibilidade com o filho.

No dia 27 de fevereiro, os cirurgiões Adriano Miziara, coordenador do transplante de fígado, e Alcides Salzedas, coordenador de transplante de fígado pediátrico, realizaram o primeiro transplante inter vivos de fígado do Hospital São Paulo, pelo Sistema Único de Saúde (SUS). "Constatada a compatibilidade do pai, retiramos 25% do órgão e implantamos no bebê. A parte do fígado implantada já começa a trabalhar assim que é realizada a cirurgia e o fígado do pai se regenera em aproximadamente um mês", afirma Miziara.

Os transplantados passam bem e Marcelo, pai de Arthur, diz se sentir aliviado com a recuperação do filho. "De uma semana para outra ele ganhou peso e está mais esperto". De acordo com o cirurgião pediátrico Salzedas, a recuperação do receptor, na maioria dos casos, é muito boa e, saindo da fase aguda do pós-operatório, a qualidade de vida é quase como a de um indivíduo normal.

O transplante entre pessoas vivas é uma das soluções encontradas para a insuficiência de órgãos conseguidos de cadáveres. "É uma chance de acelerar e diminuir a espera angustiante por um órgão e pela possível cura", explica Salzedas. O número de pacientes que aguardam um fígado soma, entre adultos e crianças, 3.438 pessoas (dados da Secretaria de Estado da Saúde).

Até hoje, foram realizados cerca de 400 transplantes pediátricos no Estado de São Paulo e, destes, 26 no HSP. Em relação ao transplante entre pessoas vivas, 148 foram contabilizados pela Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO) no ano de 2007.

Postado por: Claudia Moraes

veja também