Problemas visuais relacionados ao diabetes

Problemas visuais relacionados ao diabetes

Atualizado: Sexta-feira, 1 Fevereiro de 2008 as 12

O Brasil conta hoje com cerca de 12 milhões de diabéticos. Deste total 22% terão algum problema na retina cinco anos após o início da doença. Em 10 anos, esse número sobe para 50%, sendo que 75% dos diabéticos têm grandes probabilidades de perder completamente a visão.  

Por isso, é preciso alertar aos médicos clínicos gerais e endocrinologista sobre a importância de encaminhar seus pacientes ao oftalmologista para a realização de exames de fundo de olho a cada seis meses.

Conhecidas como diabetes ocular as alterações oculares provocadas pelo diabetes costumam aparece em torno de cinco anos após o inicio da doença. As lesões ocorrem na retina, no início, com hemorragias e inchaço e, posteriormente, isquemia e descolamento da retina. Essas alterações provocam intensa queda progressiva da visão e no final a cegueira total.

Para prevenir o diabetes ocular, é imprescindível que se faça um controle rigoroso da glicemia, da pressão arterial e dos níveis do colesterol, além do exame de fundo de olho a cada seis meses. Glicemia acima de 130mg%, pressão arterial acima de 13X8 mmHg e colesterol abaixo de 200mg representam sinais de alerta.

O diabetes ocular faz com que os vasos sanguíneos da retina seja acometidos, tornando-se hiper-permeáveis, o que provoca perda de oxigênio e nutrientes antes de chegar aos tecidos oculares. O processo de desenvolvimento da doença é semelhante a um vazamento em um cano de água numa casa, o líquido não chega à torneira porque existe um vazamento antes. Este problema ocorre em milhares de micro-vasos da retina.

Como resultado desse "vazamento", a visão torna-se embaçada e a pessoa passa a ter dificuldades para ler, escrever, dirigir e discernir as feições de outras pessoas. Como é muito difícil a recuperação de algum grau de visão perdida, é importante que o diabético seja submetido a exames de fundo de olho e seja tratado antes que ocorra baixa visual.

O tratamento do diabetes ocular pode ser clínico ou cirúrgico, dependendo da gravidade do caso. Inicialmente são aplicados tiros de raio laser de argônio ou diodo nos locais de vazamento na retina. Nos casos mais adiantados, temos que fazer aplicação intra-ocular de substâncias que promovam a absorção do líquido extravasado ou inibam a proliferação de vasos sanguíneos anômalos na retina.

A cirurgia é o procedimento mais indicado nos casos muito avançados e também quando nenhum desses tratamentos surte efeito. Apesar da gravidade da doença, é possível controlá-la. Os pacientes bem controlados e que fazem raio laser assim que o oftalmologista nota as lesões possuem 80% de chance de não ter perda visual durante toda a vida.

Pedro Xavier é médico, oftalmologista do corpo clínico do Hospital de Olhos de São Paulo e fellow do Hospital das Clínicas.

veja também