Quanto mais as crianças deixarem de ir aos fast foods, melhor para a saúde delas

Redes de fast food oferecem riscos à saúde de crianças e adolescentes. Saiba mais

Atualizado: Segunda-feira, 21 Janeiro de 2013 as 2:47

 

Quanto mais as crianças se adaptarem em alimentar-se saudávelmente, melhor para elas. O incentivo dos pais contam muito para terem uma alimentação saudável. Além de previnir contra a obesidade, previne também contra doenças que os lanches servidos em fast food trazem à saúde das crianças e adolecentes.
 
Um estudo internacional constatou que, o consumo nesses estabelecimentos fazem com que as crianças tenham rinite, asma e eczema. 
 
O estudo analisou em grande escala, incluindo o Brasil, através de questionários sobre os sintomas das três doenças preenchidas por adolescentes entre 13 e 14 anos e pelos pais ou responsáveis por crianças de seis e sete anos, que 319.196 adolescentes de 51 países e 181.631 crianças de 31 países tinham alguma dessas doenças.
 
É comum ouvir de uma criança que deseja ir à uma rede de fast food comer e adquirir o brinde. Muitas já são acostumadas desde de pequenas a não terem uma boa alimentação.
 
Adolescentes e crianças que tiveram menos ataques severos de asma, tinham o hábito de consumir três ou mais porções de frutas durante a semana.
 
Em compensação, um risco maior de ataques severos de asma, rinite e eczema foi associado ao consumo de três ou mais porções de fast food: por exemplo, 39% mais chances de asma entre os adolescentes e 27% a mais entre as crianças.
 
Não há uma explicação clara para o fenômeno, nem os dados são conclusivos. Mas os autores sugerem que os efeitos no sistema de defesa podem vir da composição dos alimentos.
 
Os fast food posssuem maior quantidade de ácidos graxos, enquanto as frutas são ricas em antioxidantes.
 
Os adolescentes podem controlar o consumo. Já as crianças, dependem das escolhas dos pais.
 
 
 
 
Com informações de: Folha de S. Paulo

veja também