Raspadinha pode melhorar desempenho de atletas, diz pesquisador

Raspadinha pode melhorar desempenho de atletas, diz pesquisador

Atualizado: Sexta-feira, 30 Abril de 2010 as 9:02

Não é surpresa que se exercitar num dia quente é difícil. Você vai mais devagar. Um exercício simples é uma tortura. Você perde resistência. Os motivos tampouco são uma surpresa. Sangue é direcionado à pele para resfriar, o que significa que ele é desviado de seu trabalho nos músculos. Quanto mais quente, e quanto maior o esforço, mais difícil se torna o exercício. Eventualmente, você desacelera ou para, incapaz de continuar.

Fisiologistas do exercício discutem o porquê. Poderia ser porque os músculos estão sedentos de sangue. Ou porque o cérebro fica quente demais. Poderia ser que o coração pode não bater rápido o bastante para satisfazer toda a demanda por sangue. Porém, mesmo sem saber o motivo, pesquisadores descobriram que podem atrasar o tempo da exaustão absoluta esfriando um pouco as pessoas antes do início do exercício.

Assim, empresas vendem dispositivos, como roupas refrigeradoras para uso antes dos exercícios, ou até mesmo banhos frios portáteis, para imersão pré-corrida. Pesquisadores testaram métodos como fazer atletas nadarem durante uma hora em água fria, sentarem numa sala gelada ou tomarem uma chuveirada fria. Não importando o método, as empresas e pesquisadores relatam um efeito de pré-resfriamento.

O problema é que nenhum dos métodos é fácil, barato e prático. Mas agora, um pesquisador e atleta de resistência neozelandês diz ter encontrado um método que é tudo isso. Tudo que você precisa fazer é beber uma "raspadinha", também conhecida como bebida "frozen", antes de se exercitar. Num novo estudo, ele relata que jovens atletas recreativos que beberam uma raspadinha de gelo com sabor logo antes de correr numa esteira dentro de um quarto quente puderam se manter por uma média de 50 minutos antes de parar. Quando eles beberam apenas água gelada com sabor, a média caiu para 40 minutos.

Existem limitações - o teste de corrida foi feito em local fechado, assim não houve efeito refrigerante do vento sobre a pele. Naquelas circunstâncias artificiais, o pré-resfriamento pode ter surtido efeitos mais dramáticos do que ocorreria em locais abertos. E o que os atletas realmente querem é ir mais rápido numa corrida, e não correr até cair. Mas o estudo testou resistência, e não desempenho - algo típico de pesquisas como essa.

Ainda assim, segundo especialistas em exercícios, o efeito foi evidente. "Este é um estudo realmente interessante, bem conduzido e cuidadosamente pensado", disse Craig Crandell, um fisiologista de exercícios do Southwestern Medical Center, na Universidade do Texas, que estuda os efeitos de se fazer exercícios no calor.

Segundo o pesquisador sênior, Paul Laursen, na Academia de Esportes de Nova Zelândia, em Auckland, e competidor participante de 13 triatlos Ironman (2,4 milhas a nado, seguidas por 112 milhas de ciclismo e 26,6 milhas de maratona), o efeito tem vida curta - não seria o bastante para durar nem perto de uma maratona ou uma corrida de bicicleta de 100 milhas, por exemplo. Mas seria perfeito para um esporte como tênis, uma corrida de 5 ou 10 quilômetros ou esportes de equipe, como futebol ou rúgbi, e pode ajudar atletas de resistência em eventos mais longos ao permitir que combatam o calor, até certo limite, pelos primeiros 50 minutos.

Laursen disse ter pensado em usar bebidas de gelo moído, pois elas podem baixar a temperatura do cérebro em suínos com mais eficácia que a água gelada. Os estudos com suínos eram métodos de teste para resfriar o corpo antes de cirurgias. Laursen explicou que as raspadinhas também podem resfriar efetivamente o corpo antes de exercícios. A vantagem, segundo ele, é que elas são ainda mais frias que o gelo - 1 grau Celsius negativo -, um efeito que ocorre quando água açucarada é misturada com gelo moído.

"Essa é uma ideia inteligente", disse Scott Montain, pesquisador de exercícios do Instituto de Pesquisa em Medicina Ambiental do Exército dos EUA em Natick, Massachusetts. "Eu não teria imaginado que as raspadinhas teriam um efeito como esse".

Mecanismos desconhecidos

Porém, não está tão claro por que as raspadinhas de gelo, ou qualquer outro método, funcionam. Conforme Laursen aponta num artigo de revisão, "os mecanismos fundamentais dos efeitos de desempenho associados ao pré-resfriamento ainda não estão totalmente compreendidos". Uma possibilidade, que Laursen afirmou poder explicar os resultados da raspadinha de gelo, é que elas reduziram a temperatura corporal antes de os jovens correrem, permitindo que se exercitassem por um tempo maior antes de seus corpos ficarem seriamente quentes.

Montain não está tão certo. Os homens não ficaram tão quentes assim, disse ele. No ponto de exaustão, a temperatura corporal média daqueles que beberam a raspadinha e dos que beberam água gelada era de aproximadamente 38 graus.

Ele afirmou que o fator limitante pode ter sido a frequência cardíaca dos homens. Em ambos os grupos, a exaustão ocorreu quando a frequência atingiu cerca de 185 batimentos por minuto. Os que beberam a raspadinha chegaram a essa frequência 10 minutos mais tarde do que os que beberam água gelada. Montain explicou que o coração bate cada vez mais rápido, tentando bombear sangue à pele, para resfriamento, e aos músculos para o exercício, até que não consegue mais acompanhar.

"O coração não pode enviar sangue para todos os lugares sem a queda de pressão sanguínea", disse Montain.

"Em algum momento, você não consegue manter sua pressão sanguínea". Contudo, segundo Montain, o que importava no fim era que a simples solução de beber uma raspadinha funcionava. Ele pode até mesmo tentar beber uma ele mesmo, caso esteja correndo no calor - algo que ele tenta evitar.

"Tento correr quando o clima está bom", disse Montain. "Moro em Massachusetts, então posso escolher".

Crandall, em Dallas, pode parecer a pessoa ideal para usar uma raspadinha antes de uma corrida. Mas ele está menos interessado.

"Eu corro apenas pelo prazer", afirmou ele. E se bebesse uma raspadinha com um xarope açucarado, explicou, "todas as calorias que queimei seriam agregadas de volta". Laursen, entretanto, está bebendo as raspadinhas. Ele sente aquela dor de cabeça do gelado quando as toma - todo mundo sente isso, segundo ele -, mas ele aguenta a dor. Vale a pena. Quando toma uma raspadinha antes de uma sofrida sessão de exercícios no calor, disse ele, "me sinto extremamente melhor".

Postado por: Felipe Pinheiro

veja também