Saiba qual a relação entre o estresse e a dor de cabeça

Extresse x Dor de cabeça: Entenda

Atualizado: Terça-feira, 20 Agosto de 2013 as 1:11

Existem dias que parecem intermináveis com tantos compromissos, reuniões e afazeres. É muito comum que nessas situações o corpo fique cansado e aconteça o desgaste mental, mas a tensão que está intimamente relacionada ao estresse também pode dar origem a dores de cabeça. Existem diversas causas para a dor de cabeça e, segundo dados da Sociedade Brasileira de Cefaleia, 95% da população brasileira sofrerá com esse tipo de dor ao longo da vida. Ainda segundo a sociedade, cerca de 70% das mulheres e 50% dos homens apresentam pelo menos um episódio de dor de cabeça por mês.
 
O estresse, por sua vez, pode afetar o organismo de diversas formas e seus sintomas podem variar de pessoa para pessoa. As dores de cabeça desencadeadas pelo estresse surgem inicialmente após o distúrbio e, com o tempo, se tornam recorrentes. Esse é o fato que indica a relação de estresse e cefaleia do tipo tensional. Os mecanismos envolvidos na origem do sintoma correspondem a sinais como contrações musculares, hipersensibilidade, dor nos músculos pericrânios e cervicais.
 
Dor de cabeçaAlém disso, esse tipo de dor de cabeça pode aparecer não só pelo alto grau de tensão diária, mas também pelo excesso de carga visual que faz parte da rotina das pessoas, ou seja, ficar muitas horas em frente ao computador, televisão, celular, entre outros hábitos, são fatores adicionais que podem levar à dor.
 
Como lidar com o problema
 
É comum durante um dia de trabalho ocorrerem surtos de dor de cabeça pela intensidade das atividades e carga horária. Para o alívio destes sintomas, é necessário encaixar na rotina atividades que diminuam as tensões. Em casos de estresse, o ideal são atividades que mudem o foco do pensamento e promovam relaxamento, como ioga, alongamento, pilates e prática de esportes. Além disso, saber o que está causando a dor de cabeça é realmente o ponto chave para que o tratamento seja eficaz. Por isso, é importante não negligenciar esse sintoma e procurar um especialista.
 
 
 
Com informações de: Assessoria de Imprensa Burson-Marsteller Brasil

veja também