Saúde do Paraná recebe reforço de R$ 125 milhões

Saúde do Paraná recebe reforço de R$ 125 milhões

Atualizado: Quarta-feira, 5 Agosto de 2009 as 12

O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, anunciou nesta terça-feira, 4 de agosto, em Curitiba (PR), a implementação de 30 Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) para o Paraná, sendo 15 neste ano e 15 em 2010. Com um investimento de R$ 123 milhões, as 30 unidades terão capacidade para atender até seis milhões de pessoas, o que amplia a capacidade de atendimento aos pacientes da nova gripe no Paraná.

Ainda como reforço às ações de enfrentamento da pandemia de Influenza A(H1N1) no estado, Temporão autorizou o repasse adicional de R$ 2,6 milhões para ser utilizado na assistência aos pacientes e na prevenção.

A importância das UPAs deve-se principalmente ao seu alto grau de resolutividade. Cerca de 90% dos casos encaminhados aos hospitais do Sistema Único de Saúde (SUS) poderiam ser resolvidos nas UPAs. O principal objetivo das UPAs, portanto, é evitar a superlotação em hospitais e reduzir as filas para atendimento a urgências e emergências. As UPAs funcionarão 24 horas, inclusive nos fins de semana, integradas ao SAMU, permitindo a agilidade dos atendimentos mais graves.

INSTITUTO CARLOS CHAGAS - O anúncio de novos investimentos na rede de saúde do Paraná foi feito durante a cerimônia de inauguração do Instituto Carlos Chagas (ICC), unidade da Fiocruz no estado e da Planta de Insumos para Diagnósticos em Saúde, que realizará atividades de desenvolvimento, inovação e produção de insumos para kits de diagnóstico.

As nova unidades devem contribuir para reduzir a dependência brasileira de importações, além de possibilitar a oferta de kits de diagnóstico para diferentes programas do Ministério da Saúde.

Já foram investidos na unidade R$ 15 milhões em obras e equipamentos. A expectativa é que ainda este ano, sejam produzidos insumos para o kit brasileiro NAT HIV/HCV, que testa a presença do vírus da Aids e da Hepatite C. Esses kits serão usados na triagem de bolsas de sangue e trará mais segurança para transfusões de sangue.

“O campo da biotecnologia e da bioprodução tem uma singularidade no Brasil, que hoje nos coloca em uma situação diferenciada dos países em desenvolvimento, ou seja, nós temos potencial, vamos explorar esse potencial e fortalecer a capacidade brasileira de produção”, afirmou o ministro da Saúde, José Gomes Temporão.

A planta de insumos também poderá realizar, em breve, a produção de insumos para diagnóstico molecular do vírus Influenza A (H1N1). Além disso, será possível produzir o multiteste, capaz de realizar o teste de até 100 doenças em até 100 pessoas, ao mesmo tempo. “Essa unidade no Paraná abre um imenso campo de novas possibilidades para a saúde pública brasileira. Acho que nós estamos no caminho correto, fortalecendo a capacidade brasileira de inovar, de investir em ciência e de fortalecer a nossa produção”, destacou.

A unidade conta com oito laboratórios: Bioinformática; Biologia Celular e Microscopia; Biologia Molecular de Tripanossomatídeos; Virologia Molecular; Regulação da Expressão Gênica; Genômica Funcional; Células-tronco; e Laboratório de Desenvolvimento de Insumos.

Na ocasião, também foi firmado um acordo entre a Fiocruz, a Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Paraná e seis universidades estaduais, que permitirá o desenvolvimento no campo das biociências e da biotecnologia em saúde. O acordo abrange a formação de recursos humanos em nível de pós-graduação strictu sensu; pesquisas em áreas prioritárias de saúde; o desenvolvimento tecnológico de produtos e insumos de interesse dos programas de saúde pública; e o intercâmbio de pesquisadores.

Detalhamento

- 15 UPAs em 2009: R$ 30 milhões

- 15 UPAs em 2010: R$ 30 milhões (estimativa)

- Total: 30 UPAs: R$ 60 milhões para construção

- Manutenção das 30 UPAs: R$ 63 milhões

- Total geral para as 30 UPAs: R$ 123 milhões

veja também