Sites estimulam anorexia mesmo reconhecendo o distúrbio como doença

Sites estimulam anorexia mesmo reconhecendo o distúrbio como doença

Atualizado: Sexta-feira, 18 Junho de 2010 as 2:21

Um levantamento dos principais sites que fazem apologia à anorexia e à bulimia, realizado pela Universidade de Stanford, concluiu que, mesmo celebrando a magreza extrema, a maioria reconhece que os distúrbios são doenças.

O estudo analisou 180 sites que usam termos como "Pro-Ana", "Pro-Anorexia", "Pro-Bulimia", que significam algo como "Pró-Anorexia" e "Pró-Bulimia". A anorexia e a bulimia afetam entre 1% e 2% das mulheres jovens nos Estados Unidos.

Pacientes com anorexia se mantêm com baixíssimo peso e têm pavor de ganhar peso, ficando extremamente magros. Já quem tem bulimia, come grandes quantidades de comida e depois a dispensa do organismo por meio de vômitos, laxante ou diurético. Ambos, por longo prazo, podem causar sérios problemas de saúde e até a morte.

De acordo com a pesquisa, quase 80% dos sites têm características interativas, 85% exibem materiais como fotos de modelos muito magras ou celebridades e 83% oferece sugestões e dicas de como comer cada vez menos. No entanto, a maioria dos sites reconheceu que os transtornos alimentares são uma doença, e ainda oferecem informações de recuperação.

Segundo a autora do estudo, Rebecka Peebles, "muitas pessoas com distúrbios alimentares têm dias em que querem melhorar, e, em outros, não têm nenhum interesse em ficar melhor. Os sites refletem a individualidade das pessoas que os visitam."

A pesquisadora faz um alerta aos médicos e familiares de quem sofre do distúrbio.

- Os médicos que tratam de distúrbios alimentares e familiares de pacientes com transtornos alimentares, devem ser conscientes de que os locais existem, são de fácil acesso e podem ajudar a reforçar os padrões de distúrbios alimentares.

veja também