Sucesso nas salas de cinema, a pipoca previne doenças

Pipoca faz bem a saúde. Saiba mais

Atualizado: Quinta-feira, 14 Fevereiro de 2013 as 12:22

 

É impossível resistir a uma pipoca fresquinha e cheirosa, ainda mais quando vai assistir um filme, seja no cinema ou em casa. A pipoca, quando preparada corretamente, traz benefícios para a saúde, por conter nutrientes importantes para o organismo. “A margarina e a manteiga não são indicadas, pois saturam mais rápido que o óleo. E quanto mais saturada, pior para nossa saúde, pois provocam aumento do colesterol ruim, o LDL, e a redução do colesterol bom, HDL, além de aumentar a quantidade de calorias”, explica a nutricionista Paula Castilho, sobre atentar-se ao preparo.
 
O excesso de sal e temperos prontos deve ser controlada, já que a concentração de sódio, em excesso, aumenta os riscos de hipertensão arterial e pode desencadear outras disfunções como retenção líquida e sobrecarga renal. A nutricionista esclarece os mitos e verdades sobre a pipoca.
 
Pipoca faz mal.
Mito. A pipoca pode ser uma alternativa saudável, quando comparada a outros aperitivos de alta densidade energética e com baixos nutrientes. Por ser um cereal integral natural, está associado ao auxílio no controle do peso corporal e na redução do risco de doenças crônicas, como diabetes e doenças cardiovasculares. O alimento também possui grande quantidade de fibras, por isso, tende a melhorar o funcionamento intestinal tanto na regularidade quanto na consistência e na formação do bolo fecal, beneficiando também a saciedade.
 
A pipoca pode ajudar na prevenção de doenças.
Verdadeiro. Por conter altas doses de polifenóis, antioxidantes que protegem as células do organismo contra os danos causados pelos radicais livres, a pipoca desacelera o envelhecimento, além de prevenir doenças degenerativas, como o câncer. Também eleva a concentração de antioxidante, que auxiliam na prevenção do diabetes, câncer, controle dos índices de colesterol, triglicerídeos e da glicemia, retardando o processo de esvaziamento gástrico. Por conter zeaxantina e luteína, duas substâncias antioxidantes que contribuem com a saúde dos olhos, previne ainda a catarata e degeneração macular.
 
A pipoca doce faz mais mal que a salgada.
Verdade. A pipoca doce é mais calórica, pois tem o açúcar. Logo faz mais mal.
 
Pipoca tradicional é melhor que a  de micro-ondas.
Verdade. As pipocas de micro-ondas também devem ser evitadas, pois possuem excesso de conservantes e sódio, além de serem extremamente calóricas.
 
A pipoca não deve ser consumida diariamente.
Mito. O consumo pode ser de 20 g ou 1 ½ xícara ao dia. Mas acrescentar complementos como queijo, bacon, sal, leite condensado, entre outros, faz mal, especialmente por conta das calorias. O segredo é colocar apenas um fiozinho de óleo na hora de estourar, além de pouco sal. Um saquinho da versão sem óleo tem 30 calorias.
 
A pipoca não pode substituir uma refeição.
Verdadeiro. Ela não pode substituir uma refeição inteira, mas ainda assim é uma boa escolha na hora de comer uma “besteira”. Mas apesar de possuir muitos antioxidantes, não podemos esquecer de consumir verduras e frutas, pois a pipoca não tem os mesmos benefícios. O ideal é ter uma dieta equilibrada.
 
A pipoca é perigosa para quem tem diabetes.
Mito. A pipoca possui o amido resistente, e esse carboidrato passa intacto (ou quase)
 
pelo aparelho digestivo e, assim, não provoca altas repentinas nos níveis de glicose.
 
 
Com informações de: Bolsa de Mulher

veja também