SUS inclui duas novas vacinas no calendário a partir de março

SUS inclui duas novas vacinas no calendário a partir de março

Atualizado: Terça-feira, 2 Fevereiro de 2010 as 12

No title O Ministério da Saúde inclui, neste ano, duas novas vacinas no calendário público de vacinação. Em nota, o ministério informou hoje que vão ser incluídas no calendário básico de vacinação as vacinas pneumocócica 10-valente e a antimeningococo C. A primeira começa a ser ministrada em crianças menores de 2 anos de idade a partir de março e a segunda, a partir de agosto

A adoção da pneumocócica 10-valente para o calendário de vacinação gratuita foi alvo de críticas da comunidade médica, que questionou a escolha da vacina, nova no mercado e ainda sem estudos populacionais. Na rede privada, está disponível há dez anos outra vacina pneumocócica, 7-valente (a ser substituída neste ano por uma 13-valente), amplamente utilizada em diversos países.

A partir de 2011 essas vacinas vão integrar o calendário básico da vacinação de menores de 1 ano de idade. Serão investidos R$ 552 milhões, com a compra em laboratórios nacionais de 13 milhões de doses da vacina pneumocócica e 8 milhões da meningócocica, o que permitirá a imunização de 6 milhões de crianças.

Entre 2000 e 2008 o número de casos registrados de meningite bacteriana caiu de 4.276 para 2.648 (redução de 38%). No período, as mortes caíram 47%, passando de 777 para 412.

O SUS (Sistema Único de Saúde) registrou entre 2000 e 2008 redução de 26,8% na ocorrência do pneumococo (principal agente de pneumonias em todas as faixas etárias). As internações no SUS pela doença caíram de 950 mil para 695 mil em 2008. No mesmo período a média anual de casos de meningite pneumocócica foi de 1.250 ocorrências, com 370 óbitos.

Os contratos com os laboratórios que vão fornecer as vacinas envolvem transferência de tecnologia. Segundo o Ministério da Saúde nos últimos cinco anos, o Brasil começou a produzir vacina contra a gripe sazonal, contra o rotavírus humano e a tríplice viral (contra sarampo, rubéola e caxumba). Essas vacinas responderam por 28,6% da produção nacional em 2008.

veja também