Temperatura desregulada do ar-condicionado agrava crises respiratórias

Ar-condicionado pode agravar crises respiratórias

Atualizado: Quinta-feira, 9 Fevereiro de 2012 as 10:02

Na rua, sol forte, temperatura acima dos 30 graus, maquiagem derretendo, gravata sufocando de tanto calor. No escritório ou dentro do carro, aquele ar geladinho gostoso.

Para fugir do calor intenso, quem tem condições financeiras recorre aos sistemas condicionadores de ar. Sem os devidos cuidados, no entanto, eles podem trazer complicações para a saúde.

“O ar-condicionado tira a umidade do ar que vai passar pelas vias respiratórias e, com isso, dificulta a respiração. O ar muito frio e a umidade abaixo de 14% – como nos aviões – causam grande desconforto e irritação após poucas horas”, diz a médica Mônica Menon, otorrinolaringologista e alergista, doutora em ciências médicas pela FMUSP e especialista em pesquisa clínica.

A mucosa nasal é revestida por cílios vibrantes, responsáveis por expulsar bactérias, fungos e vírus que entram no organismo pelo ar que respiramos. “Como há o ressecamento da região, a chance de contrair infecções aumenta”, explica o médico Ricardo Milinavicius, diretor da Sociedade Paulista de Pneumologia e Tisiologia (SPPT).

Para aqueles que sofrem com quadros alérgicos, as reações se amplificam. “A mucosa fica ainda mais irritada e a pessoa passa a espirrar mais”, diz Mônica Menon.

Uma forma de minimizar o problema é hidratar-se bem. Nos dias quentes e especialmente em ambientes com ar-condicionado, é essencial beber água e umidificar as vias aéreas com soro fisiológico ou gel nasal. “Beba água de forma fracionada: meio copo de hora em hora”, aconselha a médica Mônica Menon.

Limpeza contra doenças

Outro problema do ar-condicionado é a “poluição indoor”. O filtro não consegue reter todas as impurezas existentes no ambiente, que se acumulam nos ductos e fazem com que o ar circule contaminado de fungos, bactérias e sujeiras, prejudicando a saúde de quem está exposto ao aparelho.

Segundo Ricardo Milinavicius, é importante que o ar-condicionado seja higienizado e tenha o filtro trocado periodicamente. “Este é o principal desencadeador de doenças respiratórias: a falta de limpeza. Para pessoas que já apresentam quadros de bronquite, asma ou doença pulmonar obstrutiva crônica, a DPOC, os riscos são ainda maiores, podendo levar a casos de sinusite, amidalite e até mesmo pneumonia”, alerta o médico.

E não só o filtro do ar-condicionado deve ser higienizado, mas também os ductos internos, pois é lá que bactérias e resquícios de água ficam alojados. Veja como limpar o seu ar-condicionado.

A limpeza deve ser realizada a cada três meses e, a cada seis, é preciso trocá-lo. O mesmo serve para o ar dos carros. Nos veículos, o parâmetro para troca é de cinco mil a 10 mil quilômetros rodados, o que corresponde a aproximadamente um ano.

veja também