Treinamento de Equilíbrio para Idosos

Treinamento de Equilíbrio para Idosos

Atualizado: Sexta-feira, 8 Fevereiro de 2008 as 12

  Treinamento de Equilíbrio para Idosos   Programa inclui exercícios para o fortalecimento de ossos e músculos, além da melhora da postura e da propriocepção

Por Myrian Rosário - [email protected]

Longe se vai a clássica imagem de vovôs e vovós sedentários, que passavam seus dias sentados em cadeiras de balanço assistindo televisão, fazendo tricô ou contando estórias do passado para os netinhos. Hoje em dia, senhores e senhoras com mais de 65 anos esbanjam saúde e dão lições de boa forma em academias e maratonas. Porém, muitas pessoas que já entraram na terceira idade começam a ter limitações físicas e vêem desejos simples, como fazer uma caminhada, frustrados pelo medo de cair e se machucar.

Assim como as crianças quando aprendem a dar os primeiros passos, os idosos também caem muito. A diferença entre as quedas da infância e as da velhice está no fato de que, na terceira idade, as fraturas podem ter conseqüências muito sérias. Pesquisas apontam as quedas como a terceira causa de morte em pessoas acima dos 65 anos. Mesmo quando as conseqüências não são fatais, as quedas são perigosas também porque levam a uma imobilização prolongada. "O perigo dessa imobilização prolongada é que ela facilita infecções respiratórias e enfraquece ainda mais os ossos e os músculos, além de prejudicar enormemente a qualidade de vida, causando a dependência de terceiros", alerta o Dr. Ari Radu-Halpern, presidente da Sociedade Paulista de Reumatologia e Chefe do grupo de coluna do serviço de Reumatologia do Hospital das Clínicas de São Paulo.

Os motivos para essas quedas freqüentes são muitos. Labirintite, que provoca crises de tontura; problemas visuais, neurológicos, cardiovasculares e ósteo-articulares, todos podem contribuir para a perda do equilíbrio e queda. "Mesmo que não seja diagnosticada nenhuma dessas patologias, é comum que os idosos tenham deficiência no equilíbrio estático e dinâmico. E a alteração do equilíbrio é o principal fator de risco para quedas", observa o Dr. Ari Radu-Halpern. "Isso ocorre por vários fatores. Em primeiro lugar, existem deficiências musculares (perda de massa muscular) em músculos responsáveis pela marcha e pela sustentação do corpo na posição ereta. Em segundo lugar, com a idade, costuma-se perder progressivamente o sentido de propriocepção", emenda.

A propriocepção é a capacidade de sentirmos as posições relativas das articulações do corpo sem a necessidade de visualizá-las. Desta forma, normalmente, mesmo com os olhos fechados sabemos se nosso pé está esticado ou dobrado, se o chão está inclinado para o lado de forma que estamos pisando torto e assim por diante. Com a perda da propriocepção as pessoas não conseguem se adaptar automaticamente aos obstáculos que devem ser ultrapassados na marcha normal.

Outro problema é a velocidade com que os movimentos são realizados. "Com a idade, os reflexos tornam-se mais lentos e os idosos passam a ter problemas para adotar uma posição defensiva, em caso de queda, em tempo suficientemente rápido para evitar mais lesões", explica o presidente da Sociedade Paulista de Reumatologia.

O Treinamento de Equilíbrio para Idosos, desenvolvido pelo Dr. Ari Radu-Halpern, tem como objetivos melhorar a força muscular, principalmente dos músculos envolvidos com a marcha e postura; melhorar a propriocepção, e treinar movimentos reflexos importantes. Os exercícios para o fortalecimento dos músculos são muito importantes porque, com a idade, ocorre uma perda natural da musculatura, chamada de sarcopenia.  A perda de massa muscular envolve, freqüentemente, músculos muito importantes na marcha e na manutenção da postura ereta. Com a fraqueza desses músculos, o idoso tem maior tendência a ficar cansado e cair. Além disso, a osteoporose é muito freqüente na terceira idade. "Pessoas com osteoporose têm ossos mais frágeis, mais propensos a fraturas. A união de ossos mais fracos com quedas mais freqüentes leva a fraturas mais importantes e mais freqüentes. Portanto, além de fortalecer os músculos, é necessário também fortalecer os ossos", ensina o reumatologista do Hospital das Clínicas.

Os exercícios produzem uma sensível melhora na qualidade de vida dos idosos, já que, com a restauração do equilíbrio, as quedas se tornam menos freqüentes e os riscos de fratura diminuem. Porém, antes de iniciar o treinamento, a avaliação médica é indispensável, pois dela depende o diagnóstico correto e a prescrição mais apropriada de exercícios para cada caso. O diagnóstico deve ser precedido de um exame médico completo, uma vez que várias doenças distintas podem ou não estar presentes em cada caso. "Além do exame médico, às vezes são necessários exames laboratoriais, dependendo das hipóteses diagnósticas em cada caso. A última etapa é a realização de um bom exame da marcha bem como um exame especializado do sistema ósteo-articular e muscular", detalha o Dr. Ari Radu-Halpern.

Além da avaliação médica, o Treinamento de Equilíbrio para Idosos inclui ainda uma consulta com um fisiologista do esporte, que avalia as condições físicas de cada pessoa para a realização de atividades físicas. O fisiologista também elabora um programa de exercícios direcionado aos objetivos de cada um. "Esses objetivos podem ser muito variados, já que, enquanto alguns precisam perder peso, outros precisam ganhar. Os problemas de saúde também são bem diferentes e, por isso, a avaliação é tão importante", conclui.

Durante todo o período de treinamento, os idosos passam por acompanhamento médico periódico com o objetivo de avaliar e melhorar ao máximo a resposta do tratamento.

veja também