Treinos de meia hora viram febre nas academias

Treinos de meia hora viram febre nas academias

Atualizado: Segunda-feira, 14 Dezembro de 2009 as 12

Não gostar do ambiente das academias convencionais ou não ter espaço na agenda não são mais desculpas válidas para você deixar o sedentarismo. No rol de atividades express que se espalham em época de tempo escasso, as academias de 30 minutos são uma alternativa que conquista cada vez mais adeptos.

O horário nesses locais é livre, ou seja, os alunos podem iniciar a atividade na hora em que quiserem. A duração da aula de meia hora estipulada pelo método, porém, é rígida. O treinamento em circuito é vantajoso, segundo os especialistas, pois permite o trabalho da resistência cardiovascular (aeróbica) e da força muscular de maneira simultânea. Isso só é possível por alternar exercícios nos equipamentos continuamente.

A atividade é feita em aparelhos, em que o foco é o número de repetições e não o peso. Afinal, a agilidade e a rapidez na mudança de uma máquina para outra tem como função aumentar a frequência cardíaca e, com ela, o metabolismo. Os músculos, por sua vez, também são exigidos durante os exercícios localizados. O resultado dessa química toda? Perda de calorias.

O indicado, em todas as academias, é que a aula seja feita, pelo menos, três vezes por semana para garantir o resultado que costuma aparecer já nos primeiros 30 dias

O grande diferencial

De acordo com Maria Fernanda Navarro, professora da Academia Curves, rede americana que já tem mais de 230 franquias no Brasil e é direcionada apenas para mulheres, além de desenvolverem dois trabalhos ao mesmo tempo, as aulas de 30 minutos tiram aquele período que em geral se perde entre os aparelhos. "Tudo é tão cronometrado que a aluna nunca fica esperando por uma máquina", adianta. Já para Fabiana Queiroz, consultora de fitness da Contours Academia para Mulheres, de Fortaleza, o circuito é bem parecido com o de qualquer outra academia tradicional.

"O diferencial é que os aparelhos são voltados para a estrutura física da mulher e, para a aula não ficar cansativa - fato comum nas academias tradicionais - a aluna pode eleger os aparelhos que mais lhe agrada ou, pelo menos, variá-los ao longo da semana", compara. A professora lembra que além do emagrecimento, a mulher sempre busca enrijecer o bumbum, o tríceps e tornear as coxas, além de fortalecer e alisar o abdome.

"Tal resultado será conseguido com todos os aparelhos que existem na academia. Na prática, o treino é composto de 16 estações: oito de musculação nas máquinas, intercaladas com outras oito livres (exercícios aeróbicos com acessórios como bola, jump, step, saco de boxe e elástico). A variedade, bem como a rapidez na execução (cada série é realizada em intervalos de 55 segundos, com o número de repetições indicado, individualmente), faz que o metabolismo vá até as alturas, ajudando a queimar mais gordurinhas", garante Fabiana.

Antes de começar

É importante que a aluna tenha em mente qual é o seu objetivo para que o treino atenda à sua necessidade

Em todas as academias, a aluna passa por uma avaliação antes de dar início ao programa, recebe a sua prescrição de exercícios e acompanhamento para checar a sua evolução. "Ela pode, sobretudo, sinalizar ao profissional da academia quais aparelhos têm mais facilidade e quais partes do corpo sente necessidade de trabalhar mais.

No entanto, é o professor quem a orienta quanto ao uso das máquinas durante as aulas", avisa Marcelo Vieira, professor de Educação Física e gerente do Emex - Nutrição Orientada, complexo voltado para todos os tipos de cuidados com o corpo: alimentação, atividade física e tratamentos estéticos.

"Como aqui os aparelhos são hidráulicos, eles dependem do peso do próprio corpo para a sua execução. Isso faz que a aluna ganhe resistência muscular mais rapidamente", afirma. "Outra vantagem das aulas de circuito funcional é a abrangência etária. São indicadas para homens e mulheres, de 12 anos até a terceira idade", orienta.

Por: Fabiana Gonçalves

veja também