Vacina contra HPV protege apenas de 65 a 70% dos casos

Vacina contra HPV protege apenas de 65 a 70% dos casos

Atualizado: Quarta-feira, 22 Julho de 2009 as 12

Hoje, o principal foco de combate do vírus HPV está nas mulheres com mais de 30 anos. É nesta fase da vida que aumenta a incidência de doenças relacionadas com o papilomavírus, entre elas, o câncer de colo de útero.

A grande questão é que existem dois tipos de vacinas contra o HPV, uma que combate 4 tipos virais, indicada para pessoas de 9 a 26 anos, e outra para 2 tipos virais, que também está dentro desta faixa etária, de 10 a 25 anos. Embora as mulheres acima de 30 anos sejam as mais afetadas pela doença, é importante mencionar que a vacina não é indicada para esta faixa etária por ter um caráter preventivo. A idéia da vacinação contra o HPV é proteger as mulheres antes do início da sua atividade sexual e, consequentemente, do seu primeiro contato com o vírus.

Segundo o Dr. Sérgio Nicolau, ginecologista e professor da Unifesp, hoje, o método mais eficaz para detectar o HPV e a propensão ao desenvolvimento do câncer de colo de útero é a captura híbrida  - o total de pacientes atendidos com o teste ultrapassa 1 milhão (1.038.064) de pessoas.

"O exame permite detectar com mais de 95% de certeza a existência do vírus. Em caso de resultado negativo, a mulher estará segura durante 3 anos. Em caso de resultado positivo, será necessário complementar com um exame de citologia, o papanicolaou", destaca o médico.

Ele recomenda ainda que o combate ao HPV deve ter início ainda na fase da pré-adolescência. Nessa etapa, a vacina costuma ser bastante eficaz. "Ela permite diminuir de 65% a 70% as chances de desenvolvimento de câncer de colo de útero", afirma.

Ele ressalta ainda que, mesmo vacinadas, as mulheres com vida sexual ativa devem continuar sendo rastreadas para o câncer de colo de útero, em especial aquelas com mais de 30 anos que estão fora da faixa etária da vacinação. O Instituto Nacional do Câncer preconiza que o rastreamento seja feito de 25 a 60 anos, preferencialmente.

Além disso, Nicolau recomenda que elas façam o exame de captura híbrida para a detecção efetiva do HPV.

Postado por: Felipe Pinheiro

veja também