Venenos podem ser ingredientes de cosméticos e remédios

Venenos podem ser ingredientes de cosméticos e remédios

Atualizado: Quinta-feira, 3 Novembro de 2011 as 8:32

O senso comum determina que veneno é toda substância capaz de levar à morte. A ideia não é de toda errada, porém há venenos que são aliados da saúde e até da estética, pois servem de ingredientes para a produção de medicamentos e cosméticos.

Venenos como o de jararaca são usados para a produção de remédios para o controle da hipertensão; o de abelha é utilizado em tratamentos antienvelhecimento; o veneno de taturana ajuda a evitar tromboses e assim por diante. Para obter tais benefícios não é preciso sofrer com a picada do animal, até porque o efeito da picada e do medicamento não são necessariamente iguais, segundo alertou Ana Marisa Chudzinski Tavassi, pesquisadora do laboratório de Bioquímica e Biofísica do Instituto Butantan, da capital paulista, um dos centros de referência na pesquisa de veneno animal. "Veneno é toda substância que vai causar um distúrbio em algum sistema, sem necessariamente matar. Às vezes buscamos um outro efeito ao da picada, buscamos no veneno um antagonista ao seu efeito", explicou.

Ana Marisa contou que os venenos são boas fontes de pesquisa porque são ricos em proteínas que podem trazer efeitos e reações bastante distintos. "Ele é um molde para a busca de moléculas que vão auxiliar a descoberta de um tratamento", falou.  

Os animais usados para as pesquisas são mantidos vivos e passam por rotinas de extração de veneno, mas uma vez descoberta a molécula que pode ser usada na produção de um cosmético, as indústrias não contam com serpentários, colônias de abelhas, taturanas etc. "O veneno serve para mostrar qual peptídeo a ser usado e a tecnologia ajuda a encontrar a purifica-lo até encontrar a molécula correta que traz o efeito desejado. Conhecendo o peptídeo e a molécula, manda-se sintetizar essa molécula para que ela possa ser usada nas indústrias cosmética e farmacêutica", ensinou.

A pesquisadora já realizou descobertas bastante interessantes, como uma proteína presente na saliva do carrapato que pode ajudar a curar alguns tipos de câncer como os de pele, fígado e pâncreas, ou o uso do veneno de taturana para evitar trombose e lembrou que leva-se muito tempo da descoberta da molécula até sua chegada às prateleiras: "cerca de 10 anos". Para cosméticos há menos testes de segurança, mas com remédios há provas para conseguir a patente, fases clínicas e pós-marketing.

Conheça alguns dos venenos presentes nas prateleiras.

Veneno de jararaca:   possui uma substância que é usada para a fabricação de remédios para abaixar a pressão arterial.

Veneno de cascavel:   em 1997, na Universidade Estadual Paulista, de Botucatu (SP), uma equipe de pesquisadores descobriu uma cola para tecidos e pele humanos, feita à base do veneno desta cobra. O veneno também é estudado para o uso no combate às rugas.

Veneno de abelha:   segundo pesquisas realizadas pela médica Izabella Saad Rached, da Universidade de São Paulo (USP), o veneno da abelha pode ajudar no tratamento de artrite e reumatismo. A substância também tem sido usada na Inglaterra em uma máscara anti-aging que promete ser uma alternativa orgânica ao Botox.

Veneno de taturana:   Ana Marisa e sua equipe descobriram que uma substância presente no veneno da taturana oruga tem propriedades anticoagulantes.

Veneno de jararacuçu:   alguns estudos têm sido realizados na Pontifica Universidade Católica do Paraná (PUC-PR) para usar o veneno desta víbora no tratamento de tumores cancerígenos.

Veneno de surucucu:   cientistas das universidades de Mogi das Cruzes (SP), Federal de Minas Gerais (UFMG) e da Fundação Ezequiel Dias (Funed) descobriram em 2006 que o veneno desta serpente é capaz de reduzir tumores e evitar a formação de coágulos. Não é veneno, mas...

Algumas substâncias presentes nos animais não são necessariamente um veneno e podem ser usadas para a fabricação de remédios e cosméticos. A saliva de um tipo de caramujo, por exemplo, tem sido ingrediente de cosméticos contra as rugas desde 2007 e a saliva do carrapato pode ajudar no combate de alguns tipos de câncer. Cheque algumas curiosidades.

Saliva de caramujo:   ingrediente auxiliar no combate às rugas.

Saliva de carrapato:   contém proteínas que ajudam a combater cânceres de pele, bexiga etc.

Saliva de lagarto:   mais especificamente do Monstro de Gila, que vive no Noroeste americano e no leste do México, ajuda no tratamento de diabetes.

Secreção do sapo-cururu:   desde 2008 pesquisadores dos Institutos Butantan e Adolf Lutz têm estudado esta substância no combate da leishmaniose.

veja também