Zumbido no ouvido e suas principais causas

Zumbido no ouvido e suas principais causas

Atualizado: Quarta-feira, 9 Março de 2011 as 9:24

Segundo Rita de Cássia Guimarães, otorrinolaringologista e otoneurologista, “O zumbido é uma percepção sonora nos ouvidos ou na cabeça sem haver uma fonte externa que gere esse som.” Trata-se de um sintoma que pode indicar a existência de uma ou mais doenças e problemas relacionados ou não com os ouvidos. O diagnóstico só é possível a partir de uma investigação minuciosa que começa com uma consulta a um médico otorrinolaringologista: “Depois de conhecer as causas, indica-se o tratamento mais adequado, levando em consideração as características de cada paciente. É de extrema importância um tratamento com abordagem interdisciplinar, que envolva especialistas de diferentes áreas, devido à abrangência das causas deste barulho tão incômodo”, ressalta Rita de Cássia.

O problema pode atingir pessoas de qualquer idade, mas predomina na população idosa, sendo que um terço das pessoas com mais de 65 anos sofrem com o zumbido. Problemas de audição, doenças do ouvido – denominadas otológicas -, problemas cardiovasculares, metabólicos, hormonais, neurológicos, psicológicos, vasculares, musculares, odontológicos e até o uso de remédios e drogas podem desencadear o zumbido. Hábitos sedentários e alimentação inadequada, como o fumo e o consumo em excesso de açúcar, sal, cafeína e chás também estão entre os principais responsáveis pelo sintoma.

Segundo Gerson Köhler, ortodontista e ortopedista facial que faz parte do Grupo de Apoio a Pessoas com Zumbido de Curitiba (GAPZ) , o bruxismo, apertamento de dentes, somatização por estresse, dores tensionais de cabeça e no ouvido e alterações da intensidade do zumbido podem ser um sinal de que a causa seja odontológica. “O excesso de força empregado pela musculatura facial, a maneira como a boca se fecha e o dentes se contactam podem influenciar o zumbido, podendo ser a causa ou um fator que piora ainda mais a situação”, destaca.

O GAPZ, no Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná, oferece informações e dá orientação aos pacientes: “O paciente tem que se informar, assim o diagnóstico e o tratamento ficam mais fáceis. E o nosso papel é contribuir com a transmissão de conhecimentos, orientações e permitir a interação do grupo, trocando informações não só com os palestrantes, mas também entre si”, acrescenta Gerson Köhler.

Os encontros do GAPZ acontecem todas as primeiras sextas-feiras do mês, no 5º andar do anexo B do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná, em Curitiba, a partir das 14 horas. O evento é aberto para qualquer pessoa, a entrada é gratuita e quem quiser colaborar pode fazer a doação de um produto de higiene pessoal. Mais informações sobre o próximo encontro podem ser obtidas através do telefone (41) 3225-1665.

veja também